Onde comer na Liberdade, em São Paulo?


Atualizado em:


Mesmo morando em São Paulo há mais de dez anos, o bairro da Liberdade sempre foi um lugar misterioso pra mim. Eu ia pra lá, via um monte de portinhas, restaurantes e opções gastronômicas das mais comuns até as mais loucas, mas nunca sabia exatamente onde entrar. Sentia que eu nunca conseguiria entender e desbravar o bairro (grande bobagem, pra desbravar basta começar!). Podem ficar tranquilos, essa realidade mudou bastante, e já voltei MUITAS vezes pro bairro para consegui fazer essa lista (sempre em construção) com dicas de onde comer na Liberdade.

Sendo turista na minha própria cidade. =)

Pra mim, tudo mudou quando fui no encontro de blogueiros do @Japão.br que tem como objetivo explorar mais a cultura japonesa no Brasil. Gente, meu mundo se abriu e a Liberdade virou um lugar muito mais incrível para mim. Depois desse evento que durou o dia todo explorando o bairro, fiquei muito mais animada para explorar cada cantinho e já voltei pelo menos 3 sete vezes para lá (para comer, fazer umas comprinhas ou ir no karaokê… rs). Mas o que eu mais gosto de fazer é, sem dúvidas, explorar o lado gastronômico do bairro, ainda mais depois que passei minha lua de mel no Japão.

Onde comer no bairro da Liberdade, em São Paulo?  

Há majoritariamente comida da culinária japonesa, mas na Liberdade você também encontra restaurantes coreanos e chineses super gostosos.

Esse post será publicado, mas estará em constante atualização, de acordo com as novas descobertas que eu fizer. Por enquanto vamos a dois ótimos restaurantes japoneses na Liberdade que provamos e adoramos!

Espaço Kazu

O Espaço Kazu é um lugar bem chave para comer na Liberdade, porque ele tem vários espaços e vários tipos diferentes de opções da culinária japonesa. Além disso, o salão é grande e comparta mais gente do que os restaurantes mais tradicionais do bairro, sem perder a qualidade. Mas não se engane: mesmo assim há filas e chegar cedo vale a pena.

No salão principal, uma enorme variedade de pratos quentes, como Domburis (sou apaixonada por Katsu Don), Teishokus (conforme me explicaram é como se fosse um prato feito japonês), sushis e sashimis, além de pratos da rede de franquias japonesas Go Go Curry! (ainda não experimentei, mas estou doida de vontade).

Um dos domburis do Espaço Kazu.

No andar superior do prédio principal, há um café com várias sobremesas gostosas, uma adega com mais de 70 rótulos diferentes de sakes, shochus e whisky, e também outra dica para os famintos, o Meu Udon  Loja Kazu, que é o primeiro do Brasil a servir udonno estilo sanuki. Udon é aquele macarrão mais grosso que os japoneses fazem com as mãos! Por fim, praticamente na frente do Espaço Kazu, está o restaurante Lamen Kazu que serve… lamen!

Sobremesas lindas (e diferentes!) no café do andar superior

Vamos aos pratos que experimentamos no Espaço Kazu. Já fui ao restaurante duas vezes e comi Katsu Don que é um prato de costela de porco com ovos e arroz delicioso, e o ovo é adicionado de um jeito que se espalha sutilmente na carne, dando uma textura diferente e suave. Eu sou apaixonada por esse prato e lá estava bem gostoso.

Da segunda vez, pedi uma seleção de sushis e sashimis. Como eu ia comer sozinha, pedi um prato que tinha apenas salmão pois os combinados variados eram muito grandes e serviam mais de uma pessoa. O salmão estava bem saboroso e fresco. Super aprovado.

O Katsudon do Espaço Kazu

Combinado de salmão.

Sushi Lika

Não dá pra tentar explicar, só posso falar: vá agora, correndo. Vá pelo menos uma vez, e depois me conte o que achou.  A partir do momento que eu provei a comida do Lika, ele automaticamente virou meu restaurante japonês preferido em São Paulo. Simples assim. Ah, e acho um ultraje a Veja SP o classificar com apenas duas estrelas. Mas talvez isso seja algo bom, pois chegar em um lugar com a expectativa muito alta nunca é uma boa ideia (já falhei nessa missão e aumentei as expectativas né? Rs).

Bom, fomos ao Sushi Lika para comemorar o aniversário do meu pai, e não economizamos estômago (e nem dindin) nenhum… como estávamos em quatro pessoas, conseguimos experimentar um monte de prato gostoso. A começar pelas entradinhas: lula recheada com shimeji e tataki de aji, feito com o peixe carapau e um molho da casa com alho e gengibre – delicioso e super diferente.

Missoshiro e Tataki de aji, do restaurante Shushi Lika, no bairro da Liberdade

O ponto alto veio logo em seguida: atum Bluefin, um torô espanhol. O torô é um atum mais gordo e saboroso, simplesmente divino! E esse que nós comemos era importado da Espanha, e parecia derreter na boca. A má notícia é que a porção com 6 fatias de sashimi sai em torno de R$100, então não deu pra repetir. Por isso, se não quiser encarar o valor elevado do corte do bluefin, vale a pena pedir os sushis ou sashimis de torô nacional para experimentar. Eles já são diferentes do que o atum normal que comemos na maioria dos lugares, e também são super gostosos, com preço mediano (mais caro que o atum normal, e mais barato que o importado).

O sashimi de bluefin. Corte perfeito, frescor e sabor divino.

Terminamos com um combinado tradicional na preparação, mas nada ordinário no sabor. Peixe fresco, montagem bonita e peças bem gostosas. Ah, na foto abaixo você consegue ver a entrada da lula recheada com o shimeji também. =)

Combinado japonês no Sushi Lika.

Agora a próxima meta é voltar ao Sushi Lika para provar os pratos quentes, e continuar explorando todas as delícias e particularidades do bairro da Liberdade.

Atualização: já voltamos ao Sushi Lika outras vezes, e a experiência continua sendo muito boa! E sim, já experimentamos os pratos quentes. =)

Provamos Katsudon (AMO, já disse né?) e o Teppan, ambos deliciosos. Veja na foto abaixo:

Pratos quentes do Sushi Lika: teppan de salmão e katsudon, o queridinho do SV

Aska Lámen: para comer rámen

Esse restaurante serve, provavelmente ,o rámen mais autêntico que eu já comi no Brasil (e olha que fiquei exigente depois que fui ao Japão). A experiência foi bem parecida com as que tive lá:

-Preços baixos como no Japão, em torno de R$20 (!) o prato (no Japão, rámen é comida barata).
-Sabor e tempero muito parecido com os que comíamos lá.
-Gyoza MUITO bom para comer como acompanhamento.
-Filas grandes na porta quando está frio (alguma desvantagem tinha que ter né? Rs… mas eu estive lá no auge do inverno de São Paulo).

Todas essas características fazem do Aska Lámen um autêntico restaurante japonês de rámen. A pedida é ótima para os dias mais frios, mas chegue cedo.

Porque Sim

O Porque Sim já é um restaurante bem famoso entre os frequentadores da Liberdade, e mais um que tem filas na porta. Isso acontece por causa dos preços super bons e da comida verdadeiramente gostosa e autêntica. Pra vocês terem noção, a conta para 4 pessoas deu R$180.

No cardápio, uma variedade enorme de pratos, e foco maior nos pratos quentes (que aprendemos a amar muito depois da nossa viagem ao Japão). Na nossa última visita, fomos de combinado tradicional, katsudon (pra variar) e teishoku. Mas além disso, eles também tem rámens, karês (com aquele molho gostoso de kurry) e outras opções.

No andar de cima do salão também funciona um karaokê bem conhecido no bairro.

Combinado básico e saboroso para uma pessoa.

Uma variedade de pratos quentes, servidos em bentôs para nossa alegria. Esse vocês até já sabem o que é né? Katsudon

Mais um prato que provamos no Porque Sim, na Liberdade

Outros achados no bairro da Liberdade…

Aproveito o post para comentar sobre dois lugares que vendem itens bem particulares no bairro. O primeiro é o Hachi Crepe & Café, onde comi o crepe doce mais diferente da minha vida. O sabor? O nome era Hachi Matcha e consistia em Mochi (bolinho doce de arroz), Anko (doce de feijão), chantilly, leite condensado e sorvete de Macha (chá verde). Apesar de soar um tanto quanto bizarro para os nossos padrões ocidentais, o crepe estava surpreendentemente gostoso!!

Crepe mais japonês impossível!

A segunda dica é da Pastelaria Yoka, que usou e abusou da criatividade bem típica do brasileiro e inventou o pastenoli, uma mistura de pastel com cannoli. Nada mais é do que o cannoli italiano, mas feito com massa de pastel e opção de três sabores de recheio: baunilha, chocolate e doce de leite. Aproveite que está na Yoka e prove também os famosos pastéis, um dos mais premiados da cidade!

Pastenoli, só podia ser uma invenção brasileira (de um doce italiano, recriado no bairro japonês da cidade! Rs)


Como comentamos, esse é um post em constante atualização pois somos frequentadores assíduos do bairro da Liberdade em São Paulo (já provamos outros que não gostamos e decidimos não incluir aqui por exemplo).

Se você tem alguma sugestão ou indicação de lugar pra comer na Liberdade, deixe aqui o seu comentário e nós iremos lá! Vamos juntos explorar os segredos de São Paulo.

Para você que quer continuar a acompanhar a imersão japonesa dentro da cidade de São Paulo, aproveite e veja mais posts sobre o país no Japão BR, no blog Bagagem de Memórias da Patrícia Takehana (idealizadora do encontro Japão Br em São Paulo). Acompanhe também o insta @japaobr.

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

  • Excelente site !
    Gostei bastante e creio que é bem útil para quem nunca foi ao Japão.

    No meu caso específico já estive por lá 3 vezes; e sempre ao final, ao partir de lá, já fico com vontade de voltar.

    Amo o Japão e sua Cultura e realmente vocês elaboraram um guia muito eficiente mesmo.

    No caso do bairro Liberdade, além dos lugares sobre os quais vocês abordaram, sugiro irem ao Sushi Yassu , na Rua Thomaz Gonzaga, 98 , ao lado do Espaço Kazu.

    É um dos restaurantes mais tradicionais de lá, e que já está lá desde os anos 70 , quando comecei a freqüentar o bairro.

    Infelizmente o melhor restaurante de comida japonesa na Liberdade, e que infelizmente não existe mais era o Enomoto, e que ficava bem na esquina da Praça da Liberdade com a Rua dos Estudantes.

    Mas enfim, insisto que o Sushi Yassu cumpre bem o papel no que diz respeito à verdadeira culinária japonesa.

    • Marcos,
      Que dicas boas as suas! Muito obrigada por compartilhar sua experiência na Liberdade com a gente!
      Ficamos curiosa com o Enomoto que não existe mais, e com certeza vamos experimentar o Yassu!
      Abraços!

  • Excelente site !
    Gostei bastante e creio que é bem útil para quem nunca foi ao Japão.

    No meu caso específico já estive por lá 3 vezes; e sempre ao final, ao partir de lá, já fico com vontade de voltar.

    Amo o Japão e sua Cultura e realmente vocês elaboraram um guia muito eficiente mesmo.

    No caso do bairro Liberdade, além dos lugares sobre os quais vocês abordaram, sugiro irem ao Sushi Yassu , na Rua Thomaz Gonzaga, 98 , ao lado do Espaço Kazu.

    É um dos restaurantes mais tradicionais de lá, e que já está lá desde os anos 70 , quando comecei a freqüentar o bairro.

    Infelizmente o melhor restaurante de comida japonesa na Liberdade, e que infelizmente não existe mais era o Enomoto, e que ficava bem na esquina da Praça da Liberdade com a Rua dos Estudantes.

    Mas enfim, insisto que o Sushi Yassu cumpre bem o papel no que diz respeito à verdadeira culinária japonesa.

    Continuem com o site.

  • Adoro passear pela Liberdade quando vou a São Paulo. Ainda não experimentei esses restaurantes, vou ficar de olho da próxima vez!

  • + Ver mais comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *