Roteiro de 2 dias em Inhotim: nossa viagem


Atualizado em:


Confira abaixo um roteiro de 2 dias em Inhotim, o Museu de Arte a céu aberto mais charmoso do Brasil, e quiçá do mundo! Veja também dicas sobre as galerias que você deve visitar, onde comer e onde ficar em Inhotim.

Inhotim é um passeio para se degustar com calma. É possível sim ver grande parte de Inhotim em um dia, mas você vai correr muito pelas obras e galerias e vai acabar o dia exausto e deixando algo de lado. Três dias é para quem tem fome de arte, quem curte a natureza e quer aproveitar sem pressa (e sem comprar o ticket dos carrinhos para fazer o transporte interno mais rapidamente) tudo o que um dos maiores museus de arte a céu aberto do mundo tem a oferecer.

Pensando nisso, o número mínimo de dias que consideramos viável para passear pelos jardins, obras e instalações do museu é pelo menos dois. Por isso elaboramos esse roteiro de 2 dias em Inhotim com rotas que passam por todas as galerias e pontos principais do parque, para que você não perca tempo e aproveite ao máximo sua visita.

Segredos de Viagem em Inhotim

Anos de espera pra escrever isso nos famosos vasos de Inhotim!

Depois de comprado os ingressos, sua primeira missão ao chegar em Inhotim é pegar um desses mapas abaixo! Você pode já baixar o seu direto no site oficial de Inhotim. A segunda missão é passar reto pela lojinha do lado da recepção e já entrar no parque. Não se preocupe, ela fica aberta até mais tarde. =P

Mapa de Inhotim

Note que esse roteiro foi pensado utilizando-se dos carrinhos para transporte interno que o Instituto Inhotim oferece no valor de R$25 por pessoa.

Dia 1 em Inhotim: rota rosa e amarela, restaurante Oiticica

Seja para quem sai de Belo Horizonte ou para quem já está hospedado em Brumadinho, certifique-se de chegar bem cedo a Inhotim, que abre as 9:30h da manhã.

Manhã – rota rosa

Caminhe pela rota rosa até o ponto de partida do carrinho 6. Pegue o 6 e o carrinho 7 até a galeria mais afastada da rota rosa, o Som da Terra (Sonic Pavillion de Doug Aitken, ponto G10 no mapa).

Depois, aproveite e explore a grandeza da instalação de Lama a Lâmina de Matthew Barney, no ponto G12. Pegue novamente dois carrinhos, o 7 e o 8, até uma das galerias de fotografia que mais mexeu comigo e a mais nova do parque, a Galeria Claudia Andujar, número G23 no mapa.

Lama a Lamina, em Inhotim

Volte para a Galeria Miguel Rio Branco, G16, e de lá pegue o carrinho 6 para voltar  para desbravar a outra metade do trajeto da rota rosa.

Agora a pé, visite a Galeria Doris Salcedo (G8), passe pela obra dos homens sem cabeça dando cambalhota de Edgard de Souza (A16) e siga rapidamente para checar  a Galeria Marcenaria (G9) e Galeria Lago (G6).

Almoço – restaurante Oiticica e restante da rota rosa

Por volta do meio dia e meia, você deverá estar perto do restaurante Oiticica. Aproveita para almoçar nesse restaurante por quilo que é uma verdadeira obra de arte por si só. Além do ambiente agradável, a comida é uma delícia e a vista do lago são de tirar o fôlego!

Restaurante Oiticica em Inhotim

Logo a frente do restaurante fica a obra Invenção da Cor, de Hélio Oiticica (A12). Depois do almoço é um ótimo momento para descansar em algum banco feito de tronco de árvore e em uma sombra gostosa nessa bonita região de Inhotim.

Invenção da cor, em Inhotim

Desça para o Narcissus Garden, obra de Yayoi Kusama no ponto A17 do mapa, e depois volte para a recepção, de onde tudo começou e agora recomeçará.

Tarde – rota amarela

Terminada a rota rosa por completo, você terá a tarde livre para conhecer as obras e paisagens da rota amarela. Não deixe de começar caminhando pela reta do meio do mapa, que liga a recepção ao ponto A11 e é uma verdadeira obra de arte da natureza por si só.

Os caminhops da rota amarela em Inhotim

Aproveite para apreciar todo o caminho até a Galeria Mata (G1) e a Galeria True Rouge (G2). Não são galerias demoradas, na minha opinião, e depois de aproveitar a beleza dos lagos ao redor você pode voltar para o ponto de referência A11 e seguir até a Galeria Fonte (G4) que também não é demorada.

True Rouge, em Inhotim

Agora, você tem o restante do dia para aproveitar as melhores galerias da rota amarela, na minha opinião: a Galeria Cildo Meireles (G5) e a Galeria Praça (G3), onde fica o emocionante Galpão Cardiff & Miller. No caminho, aproveite e dê uma passadinha na pequena casa onde fica a obra de Rivane Neuenschwander (número G13 no mapa).

Finalize o dia tomando um café no Café das Flores e fazendo compras na lojinha perto da recepção.

Patos de Inhotim

*Observação 1 – Se não der tempo para fazer alguma obra da rota amarela, acelere o passo no dia seguinte e inclua o que ficou de fora. Mas não enrole, a rota laranja é incrível e tomará seu segundo dia inteirinho.

*Observação 2 – Para quem ainda tiver pique, pegue o carro e dirija por uma hora até o restaurante Topo do Mundo, para curtir o pôr do sol com uma vista espetacular. (Atualização: o restaurante Topo do Mundo perto de Brumadinho fechou e mudou de endereço, agora está pertinho de BH e não é mais uma opção de jantar para quem vai dormir perto de Inhotim).

A vista do restaurante topo do mundo

A vista do restaurante topo do mundo (in memoriam…rs)

Noite em Brumadinho e região

O ideal é descansar em alguma pousada ou hotel em Brumadinho, ou ficar no luxuoso Estalagem do Mirante, que está perto do topo do Mundo e a uma hora do parque (mas cuidado pra não perder a hora no dia seguinte, hein?). Por ficar um pouco mais afastado de Inhotim, indicamos o Estalagem do Mirante apenas para quem tem mais tempo na região. Há opções justas e confortáveis em Brumadinho para quem fica uma noite apenas.

Eu e a Dalila ficamos na Pousada Verde Villas um mês após a su inauguração. Eu achei uma opção bem justa com quarto confortável para passar a noite e um café da manhã bem gostoso, desses que só mineiros conseguem fazer. Atualmente eles estão com espaços novos na pousada e ampliaram colocando varanda em alguns quartos (que estavam em construção quando fomos).

Dia 2 em Inhotim: rota laranja e restaurante Tamboril ou Bar do Ganso

Como no dia anterior, não durma no ponto e chegue cedo em Inhotim, especialmente se você deixou alguma pendência para fazer hoje. Tome um café bem reforçado porque a manhã será longa.

Manhã – rota laranja

Comece pela Galeria Lygia Pape (G20)  e depois siga pelo caminho da igrejinha até o ponto de partida do carrinho 1. Pegue o carrinho e suba até o final. Pare próximo ao Jardim de número 5 (J5) e desfrute desse lugar delicioso por um tempo, antes de seguir para ver a obra Troca-Troca (A6), os famosos fuscas coloridos de Jarbas Lopes.

Troca-troca, os famosos fuscas de Inhotim

Nã pegue o carrinho ainda. Caminhe por uma trilha dentro da mata até a Galeria Cristina Iglesias, e não se preocupe que a dificuldade da trilha é bem baixa e em alguns minutos você chegará na galeria G19 do mapa.  Volte e resista mais um pouco a tentação de pegar o carrinho. Caminhe até a Galeria Cosmococa (G15) para viver as sensações nas cinco salas de um “quasi-cinema”, idealizada por Hélio Oiticica.

Galeria Cosmococa, de Hélio Oiticica

Pronto, agora volte para pegar o carrinho 2 e seguir até um dos trechos mais isolados da linha laranja. No caminho, não deixe de olhar para o ponto A21 a sua direita, e verá a obra Elevazione, uma árvore de cobra que cresce a medida que crescem as cinco outras árvores a que ela está presa.

Chegando no final do trajeto do carrinho 2, explore tudo por lá, desde a icônica obra Beam Drop de Chris Burden (A14), a vista do ponto mais alto de Inhotim (perto do ponto A20), até as 3 galerias dessa região. São elas:  Galeria Carlos Garaicoa (G18) – imperdível para todos os viajantes; a Galeria Carroll Dunham (G22) e o espaço da Marilá Dardot (G17) com a instalação interativa “A origem da obra de arte” (mais conhecido como aqueles vasos de flores com letras do alfabeto e sementes para você dar origem a sua própria obra de arte).

Beam Drop, em Inhotim

Almoço – restaurante Tamboril, Bar do Ganso ou lanchonetes

Para o almoço de hoje, apresentamos várias opções para diferentes estilos e bolsos. Quando eu fui, terminei de ver todo o trecho mais afastado da rota laranja, peguei os carrinhos 2 e 5 e depois caminhei até o Restaurante Tamboril, que fica na rota amarela. Almocei demorada e deliciosamente por lá, o cardápio é divino e esse é um dos melhores restaurantes da região de Brumadinho. O restaurante é buffet livre, com um valor fixo de R$70 por pessoa, com sobremesa (muita!) inclusa.

A simpatia da chef Dailde Marinho, no restaurante Tamboril.

A simpatia da chef Dailde Marinho.

Para quem quer ir em um ambiente mais em conta e descolado, do lado do Tamboril está o Bar do Ganso, que é um bistrô com pratos à la carte. Há também o Café do Teatro (esse mais distante, perto da obra de Yayoi Kusama no ponto A17 na rota rosa) e o Café das Flores, charmosa lanchonete do lado da recepção. Nos feriados, há um restaurante de massas e pizzas que funciona perto da igrejinha e da galeria G20. Além disso, há ponto de apoio para venda de cachorro quente e outras comidinhas nos lugares assinalados com os talheres no mapa, como perto da galeria da Adriana Varejão e da Galeria True Rouge (cheque com os funcionários do parque quais desses locais menores estão abertos).

Tarde – continuação da rota laranja

Depois da leve desviada no trajeto, volte a linha (a laranja, de preferência). Continue o passeio começando pela Galeria Adriana Varejão, ponto G7 do mapa. Depois, curta a região perto do lago da rota laranja (que é lindíssima!) até chegar no coreto adaptado de Valeska Soares (G14), um dos espaços mais românticos, bucólicos e fofos de todo o parque.

Coreto romântico em Inhotim

Dentro do coreto: eu não conseguia sair desse lugar tão aconchegante, pacífico e gostoso em Inhotim!

Siga até o Galpão (G11), mas não deixe passar pelo caleidoscópio gigante que fica no caminho e só funciona integrado a paisagem ao seu redor (obra Viewing Machine no ponto A13).

Viewing Machine em Inhotim

Depois, siga para a maior galeria de Inhotim, a Galeria Psicoativa Tunga (G21). Sobrando tempo, pegue o carrinho 4 e vá até os jardins 1,2 e 3, próximos ao Viveiro Educador. Lembrando que os carrinhos de transporte interno param de funcionar 30 minutos antes do parque fechar.

Caminhos de Inhotim

Com esse roteiro de 2 dias em Inhotim, no final do segundo dia você terá percorrido todas as galerias, as principais obras de arte a céu aberto e alguns dos jardins, e terá andado por todos os caminhos do parque. Claro que o ritmo é intenso e o passo acelerado, mas será o suficiente pra deixar um gostinho de quero mais e aquela vontade louca de voltar pra Inhotim o mais rápido possível!

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

EnglishPortuguese