Dicas práticas de Buenos Aires que você precisa saber antes de viajar


Atualizado em:


Buenos Aires sempre foi um destino muito popular entre brasileiros. Não é para menos, é uma cidade encantadora. Eu particularmente sou uma grande fã e acho que há inúmeras vantagens de planejar uma viagem para a terra dos hermanos.

Um destino internacional pertinho e fácil de encontrar promoções, que pode ser bem visitado em um feriado prolongado e que ainda por cima costuma ter um câmbio vantajoso para nós.

Mas o intuito aqui não é convencer ninguém a viajar, mas ajudar aqueles que já se decidiram a se preparar com dicas práticas de Buenos Aires. Então vamos ao que interessa!

Veja também: O que fazer em Buenos Aires

Dicas práticas de Buenos Aires: como chegar

Aeroportos

Vindo do Brasil, o mais comum é chegar a Buenos Aires de avião. A cidade tem dois aeroportos, o Ezeiza e o Aeroparque. Explico melhor sobre cada um em seguida:

Ezeiza

Ezeiza é um aeroporto maior, onde chegam e saem a maior parte dos voos internacionais, mas ele também é mais afastado do centro da cidade. Mais ou menos como é o caso do Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, ou do Galeão, no Rio de Janeiro.

Por isso, considere que chegar e sair dele não é rápido. Até o centro da cidade, é importante considerar pelo menos 1 hora. Saia com antecedência, não vá perder o voo para voltar ao Brasil!

Isso também significa que as opções de transporte vão custar um pouco mais quando comparamos com Aeroparque. Em Ezeiza você tem algumas escolhas:

A mais barata seria pegar um ônibus urbano. As linhas 8 e 51 fazem o trajeto até o centro da cidade, parando na Plaza de Mayo ou na Plaza Constitución, respectivamente. Desta forma, você gastaria cerca de 26 pesos, porém o trajeto pode demorar até 2 horas.

Uma das formas mais utilizadas é o ônibus da Tienda León, que é como um ônibus fretado que faz o trajeto direto. Sem paradas, a viagem demora pouco menos de uma hora. Você pode escolher entre a rota que vai até o Terminal Madero, no Puerto Madero, ou ao Aeroparque. Elas custam 1.300 e 1500 pesos, respectivamente.

O ônibus da Tienda León prestes a sair do aeroporto Ezeiza – Foto: Reprodução/Youtube Sir Charles

Outra opção é pedir um carro por aplicativo. O Uber não é regulamentado em Buenos Aires, então a orientação que recebi foi que por lá o Cabify funciona melhor – honestamente, não sei explicar o porquê disso, mas quando precisei usar esse tipo de transporte, fui de Cabify mesmo e deu tudo certo.

Os carros por aplicativo costumam funcionar bem e em termos de preço é aquilo de sempre: por um lado, você não se surpreende porque desde o começo já sabe quanto custará a corrida. Por outro, pode dar azar de pegar tarifas dinâmicas.

Quanto a táxis, é importante ter muito cuidado com eles em Buenos Aires, porque há uma série de golpes. Eu não recomendaria já pegar um logo na chegada da cidade, mas se você escolher esse método, tente pegar um carro que seja de uma linha reconhecida pelo aeroporto e confira se o taxista ligou o taxímetro. Uma corrida de Ezeiza ao centro pode custa cerca de 3.800 pesos.

Ainda na opção táxis, há também um aplicativo para pedi-los com segurança: BA Taxi.

Por fim, uma última opção é contratar um shuttle. A maioria dos hotéis oferece essa opção que costuma ser mais cara, mas também mais confortável. Converse com seu hotel para ver se eles indicam um serviço deste tipo.

Aeroparque

O Aeroparque é que nem o Aeroporto Santos Dumont, no Rio, fica do ladinho da água. Mas aqui, ao invés de mar é o Rio da Prata – Foto: Wikimedia Commons

O Aeroparque é um aeroporto que fica em uma região super acessível da cidade, portanto chegar e sair dele é mais rápido e barato. Se puder escolher que seu voo vá para lá, eu recomendo.

Na minha última ida à cidade, cheguei e saí por lá e usei um ônibus urbano comum para ir até minha hospedagem em San Telmo. O número 45 faz um caminho do Aeroparque para San Telmo, passando por uma parte do Retiro e pelo Centro, portanto pode funcionar para diversas pessoas.

Outras linhas de referência são a 33, também para o Retiro e Centro, a 37, para Recoleta e Barrio Norte, e a 160, para Palermo.

Todas as outras formas de transporte mencionadas em Ezeiza também se aplicam aqui, inclusive o ônibus Tienda León, que vai até o Terminal Madero ou para Ezeiza – útil para casos de conexão.

Tenha em mente que uma corrida de táxi ou de carro por aplicativo para ir ou sair do Aeroparque sairá consideravelmente mais barato do que no caso do outro aeroporto, então se quiser dar preferência a esse conforto, não vai acabar com um rombo na conta bancária.

Buquebus

Pode ser que você esteja planejando uma viagem maior e chegue a Buenos Aires vindo de Montevideu ou Colônia de Sacramento. Nesse caso, um transporte comumente usado é o Buquebus, um grande barco, bem confortável e interessante.

O terminal do Buquebus fica razoavelmente perto do Aeroparque, mas ainda mais central. Dali, você pode tranquilamente andar até a estação de metrô Catalinas.

Pode também caminhar até alguns pontos no Microcentro ou no Puerto Madero. Se for pegar um ônibus urbano, na Avenida Leandro N. Alem e na Avenida Córdoba você estará bem servido.

Para mais conforto, de novo, use os transportes por aplicativo ou tente conversar com seu hotel sobre a possibilidade de shuttle.

Por ali, eu tomaria um cuidado extra com os táxis, porque é possível que tenham muitos de rua circulando.

Como se locomover em Buenos Aires

Bom, aqui não varia muito do que já foi dito sobre transporte. Buenos Aires é uma cidade bem servida de transporte público, com diversas estações de metrô e corredores de ônibus eficientes. Para saber qual linha pegar, o Google Maps é um bom guia.

Eu gosto sempre de usar transporte público em viagens porque além de ser uma forma mais barata, é uma maneira de conhecer melhor a cidade e de ter uma boa noção de localização.

Em grupo, porém, os táxis podem acabar saindo mais baratos. A recomendação é a mesma de sempre: atenção e cuidado. Mas também não precisa deixar de usar os táxis, eles podem ser uma boa escolha, principalmente em bairros que não têm metrô, como a Recoleta ou Palermo.

Cartão transporte

O cartão Sube pode ser adquirido e carregado em qualquer kiosco – Foto: Reprodução/Twitter TarjetaSubeok

E já que falamos de transporte público, é importante saber que em Buenos Aires você só pode andar no metrô ou no ônibus se tiver um cartão Sube. Não tem cobrador e não é possível pagar o ônibus direto para o motorista.

No entanto, conseguir o cartão é simples. Basta comprar em qualquer kiosco, aquelas lojinhas de doces que estão pela cidade toda. Nestes lugares você também pode recarregar o cartão depois.

Outra opção é obter o cartão diretamente em uma estação de metrô ou em casas lotéricas. Ele custa 90 pesos.

Dicas práticas de Buenos Aires: Câmbio

E mais uma vez vou pegar o gancho para o próximo assunto. Já que estamos falando de dinheiro, vamos então ver o que é importante saber sobre o câmbio.

A principal coisa para saber é que na Argentina a diferença entre o câmbio oficial e o câmbio turismo é muito maior do que aqui no Brasil. E mais, de uma casa de câmbio para outra a diferença pode ser bem grande também, então fique atento.

Vou dar o exemplo de quando fui em fevereiro de 2022. Na época, o câmbio oficial era de que 1 real valia mais ou menos 19 pesos. Troquei 50 reais no aeroporto, no posto do Banco Central mesmo, por esse valor.

Quando cheguei no hotel e fui pagar, o recepcionista me alertou que se eu pagasse direto para eles sem fazer o câmbio, eles fariam o câmbio oficial, mas se eu fosse fazer o câmbio na rua e pagasse em pesos, seria muito mais vantajoso para mim.

Eu então saí e encontrei uma casa de câmbio onde cada real estava valendo 33 pesos! Uma diferença enorme já. No dia seguinte, fui na casa de câmbio que uma amiga tinha me indicado e lá cada real valia 39 pesos!!! Mais que o dobro do que no câmbio oficial!

Atenção às casas de câmbio! – Foto: elluisx from Pixabay

Com essa diferença toda, notamos que é mais vantajoso levar reais em dinheiro vivo e trocar lá. Se você pagar com cartão ou fizer o câmbio no Brasil, o valor vai ser mais próximo do câmbio oficial.

Se levar dólares, também vai sair perdendo, porque afinal terá que fazer dois câmbios e estará sujeito a mais taxas.

Minha recomendação é trocar o mínimo possível aqui ou no aeroporto só para conseguir sair do aeroporto, ou seja, pagar o táxi, ônibus ou qualquer outro meio de transporte.

Depois disso, vá à Mais Brazucas, a casa de câmbio que me recomendaram e que eu recomendo também de olhos fechados, e troque o resto. Ela fica na calle Florida, ou seja, de super fácil acesso. Pelo nome, você também pode perceber que ela é de brasileiros, então se tiver dificuldade com o espanhol, pode encontrar funcionários brasileiros por lá.

Líquido na bagagem de mão

Como estamos cansados de saber, na bagagem de mão só é permitido trazer até um litro de líquidos, divididos em potinhos de 100 ml e dentro de um saquinho zip lock, correto? Mais ou menos.

Acontece que entre alguns países da América do Sul há um acordo que cria uma exceção para essa regra. Veja, como Argentina e Chile são grandes produtores de vinho, é possível trazer na mala de mão até 5 litros de bebida, em garrafas lacradas de até um litro cada. Isso costuma significar 6 garrafas de vinho.

Portanto, mesmo se o seu voo não der direito a mala despachada, pode aproveitar e trazer alguns vinhos locais sim, que você não terá problema.

Veja também: Onde se hospedar em Buenos Aires


Ainda ficou com alguma dúvida ou quer saber mais dicas práticas de Buenos Aires? Fala pra gente nos comentários!

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

Leave a Reply

Your email address will not be published.