Rio de Janeiro: dicas para uma primeira visita


Atualizado em:


Descubra nesse post tudo o que você precisa saber para visitar o Rio de Janeiro pela primeira vez! Dicas de como chegar e se locomover na cidade, passeios mais famosos e icônicos, e, claro, alguns segredinhos pra deixar sua viagem ainda mais especial.

Que o Rio de Janeiro é maravilhoso todo mundo sabe, mas toda sua fama não se deve apenas às praias. A cidade é naturalmente exuberante pela mistura única de mar e montanhas, que formam uma paisagem realmente inigualável e de tirar o fôlego. Porém, na capital fluminense há muitas coisas para fazer. Muitas mesmo. Lembre-se que o Rio é a segunda maior cidade do país e, além do turismo, é um importante polo econômico e cultural.

Leia esse post se você quer ir mais a fundo nos passeios do Rio, e pretende aproveitar a cidade além da praia.

Eu fui pela primeira vez ao Rio quando tinha oito anos e, desde então, a paulista aqui é completamente apaixonada pela cidade. Já voltei inúmeras vezes e não me canso. O Rio de Janeiro é um dos paraísos brasileiros – e é mesmo – que é frequentado tanto por turistas estrangeiros quanto por nacionais. Porém, uma prática comum dos brasileiros é visitá-lo por períodos curtos de tempo, em um feriado ou final de semana, por exemplo. Aliás, acho que isso é uma coisa bem comum com diversos destinos domésticos, o que muitas vezes é injusto, mas falamos disso em uma próxima vez.

Pensando nisso eu preparei essas dicas com os lugares mais indispensáveis para uma primeira visita à cidade. O básico do básico. Aquelas coisas que se você perder alguém vai dizer “pô então você não foi pro Rio!” – e alguns segredinhos também. Vamos lá!

Vista de dentro do bondinho do Pão de Açúcar

Historia do Rio de Janeiro

O Rio foi oficialmente fundado no dia 1º de março de 1565, quando os Portugueses expulsaram os franceses que se instalavam nas margens da Baía de Guanabara. Foi no Rio que a Corte Portuguesa se instalou quando veio ao Brasil fugindo da invasão napoleônica na metrópole. Após a independência, a cidade se tornou a primeira capital do país, posto que manteve até 1960, com a transferência para a recém construída Brasília. Alguns símbolos desses períodos são importantes pontos turísticos, como o Palácio do Catete.

O Rio hoje em dia

A capital fluminense é habitada por cerca de 6,7 milhões de pessoas e é sede de algumas empresas importantes, como a Petrobras, e de órgãos do governo, como o BNDES. Além disso, parte da cidade foi declarada Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Fato notório é que a segurança é um problema no Rio, mas em hipótese alguma isso deve ser um impedimento para conhecer a cidade, principalmente se você vem de alguma cidade grande. Eu moro em São Paulo há seis anos e nunca me senti mais desprotegida lá do que aqui. Aliás, em qualquer capital brasileira acho que o sentimento de insegurança é o mesmo, mudança mesmo só quando vamos para fora. Por via das dúvidas, é sempre bom tomar aqueles cuidados de sempre: não usar joias, evitar andar com câmeras e celulares à mostra e não ir em determinadas regiões a noite. Em suma, fique ligado.

Caminhar no calçadão de Ipanema é um passeio imperdível!

Como chegar no Rio de Janeiro?

Há três maneiras de chegar ao Rio (assim como qualquer capital brasileira): avião, ônibus ou carro. Se você vem de carro fique esperto porque alguns acessos da cidade têm um histórico um pouco perigoso, como as famosas linha vermelha e linha amarela. Se vem de ônibus, a melhor pedida é escolher os que vão para a rodoviária Novo Rio. Ela não é lá tão bem localizada mas o acesso de VLT é super fácil e a rodoviária em si tem uma estrutura bem boa (fora o caos que se instala em datas como o carnaval).

Para quem chega de avião o aeroporto Santos Dumont é a escolha mais prática. Ele fica em uma área bem central da cidade e é muito fácil chegar e sair dele de transporte público, táxi ou frescão (um ônibus com ar condicionado que faz alguns trajetos da cidade por um preço um pouco mais alto que o do ônibus urbano comum).

Como se locomover por lá?

Usar transporte público no Rio é bem tranquilo. A cidade tem poucas linhas de metrô, mas eu sempre me locomovi com ele e com ônibus muito facilmente, só me guiando pelo Google Maps. O VLT também ajuda bastante na região central da cidade. Quem usa carro deve tomar cuidado, pois não faltam histórias de turistas que vão parar em regiões mais barra pesada por causa do GPS.

Em dias ensolarados o Cristo Redentor costuma ser lotado

A tríade mais óbvia do Rio de Janeiro

Se você quiser visitar estes pontos que falaremos a seguir, a principal dica é prepare o bolso. A subida para o Cristo Redentor pode chegar a 70 reais por pessoa. O passeio de bondinho custa 55 reais a meia e 110 a inteira, comprando na hora. Nos dois casos é aconselhável comprar pela internet. Eu, pessoalmente, acho que na primeira vez vale a facada. Mas não se esqueça de verificar o tempo! Já subi tanto o Corcovado quanto o Pão de Açúcar em dias nublados e foi um desperdício completo de tempo e dinheiro porque não dá para ver absolutamente nada.

Corcovado

No Corcovado você pode subir de carro até um determinado ponto e, de lá, uma van te leva até um outro ponto mais acima e, por fim, elevadores e escadas rolantes te levam aos pés do Cristo Redentor. Você também pode subir desde baixo com as vans ou com o Trem do Corcovado. A Lu esteve lá mais recentemente e conta melhor. A vista é maravilhosa! Por outro lado, eu nunca consegui fazer uma visita ideal, pois quando não estava nublado estava completamente abarrotado de gente. É o principal ponto turístico da cidade, afinal.

Pão de Açúcar

A subida do Pão de Açúcar começa na Praia Vermelha, onde o primeiro bondinho te leva até o próximo morro. Depois, de lá, você pega o segundo, em direção ao morro mais alto e mais “no meio do mar”. Assim como o Corcovado, o Pão de Açúcar costuma ser muito cheio, mas o passeio é legal, principalmente para as crianças.

O Maracanã visto de cima, com o Maracanãzinho ao lado

Maracanã

Agora tenho que confessar que nunca fui ao Maracanã. É que eu não gosto muito de futebol e como o campo fica em um lugar um pouco fora de mão, nunca me interessei. Mas se você, como a maioria das pessoas que visita a cidade, quer ver de perto o palco de tantas disputas importantes, é possível fazer uma visita guiada ou não. Os preços giram em torno de R$50,00.

Rio de Janeiro: perto da praia

O Rio de Janeiro é, antes de mais nada, uma cidade litorânea e o clima praiano que está presente em todo o lugar é um dos seus principais charmes. Por isso, assim que chegar ao Rio vá passear no calçadão das praias de Copacabana e Ipanema e em seus arredores. Passe em frente ao Copacabana Palace, tire uma foto bem clichê ao lado da estátua do Drummond ou da Clarice Lispector e aplauda o pôr do sol na Pedra do Arpoador.

Ver o pôr do sol na Pedra do Arpoador é um clássico da cidade

Copacabana

Bem no finzinho da praia de Copacabana está o Forte de Copacabana, que foi um ponto estratégico por muitos anos e palco de uma revolta de tenentes em 1922. Hoje o forte está desativado e é um centro cultural do Exército. O acesso ao forte custa R$6,00. Lá dentro há um museu temático e, na pontinha, uma vista bem interessante da Baía de Guanabara.

Em Copacabana almoce um tradicional galeto em um dos inúmeros botecos da região e tome um suco ou um açaí nas também abundantes casas de suco.

Leblon e Ipanema

Além disso, vale muito a pena andar pelas ruas de Leblon e Ipanema. Como eu disse, os bairros são super agradáveis, cheios de lojas, restaurantes, barzinhos e ruas arborizadas que vão fazer você querer se mudar na hora. E falando em barzinho, o bar Garota de Ipanema fica, obviamente, localizado aqui. Eu na verdade acho um programa meio pega-turista, mas já que você está pelo bairro, por que não passar em frente e dar uma olhada no lugar onde Toquinho e Vinícius compuseram uma das músicas mais icônicas do Brasil.

Em Ipanema também acontece uma feirinha hippie aos domingos na praça General Osório. Não é nada imperdível, mas é um passeio gostosinho. Ela funciona das 7h às 19h desde 1968.

O poeta homenageado era mineiro, mas passou grande parte de sua vida no Rio

Alguns segredos básicos

Aos pés do Pão de Açúcar, a mureta da Urca é o lugar para comer um pastelzinho e tomar uma cerveja vendo o sol se pôr. Esse é o passeio perfeito para sentir todo o clima do Rio de Janeiro, admirando uma vista linda e sem estar cercado por turistas de todos os lados.

Pode ser que os cariocas discordem de mim, mas para mim, uma viagem ao Rio de Janeiro tem que incluir um happy hour no Boteco Belmonte. Encerre a viagem no bar que tem bancos em formato de barril e é famoso pelas empadas. A casa é original de Botafogo, mas já conta com endereços em outros lugares, como no centro e em Ipanema.

Com esse roteiro você preenche tranquilamente um final de semana na Cidade Maravilhosa. Se quiser aproveitar um pouco mais, veja mais dicas aqui.

This post is also available in: Inglês

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

EnglishPortuguese