Como fazer um mestrado nos EUA


Atualizado em:


Desde que eu me mudei para os Estados Unidos para fazer meu mestrado, muitos amigos e leitores têm me perguntado como foi o processo e o que é necessário para ser aceito em uma universidade aqui. Então eu resolvi fazer um post com as informações iniciais que você precisa saber para começar seu processo de application em um graduate program (mestrados e doutorados são “graduate” e bacharelado é “undergratuate” program nos EUA).

A biblioteca da Universidade de Harvard (Imagem: reprodução)

A biblioteca da Universidade de Harvard (Imagem: reprodução)

Passo 1: Conheça o(s) programa(s) que você quer fazer.

Pode parecer besteira, mas é muito importante saber exatamente pra quê você está se candidatando. Qual é a tradição da escola que você quer estudar? O mestrado é mais acadêmico ou mais profissional? Quais os grandes nomes que já passaram por la ou ainda ensinam lá?

Além desses detalhes, é no site das universidades que você consegue encontrar o currículo do programa (degree requirements), os requisitos para entrar (application requirements) e o perfil dos alunos que fazem o programa (student profiles ou people).

Uma vez já familiarizado com esses nomes, você precisa focar nos application requirements, que é toda a papelada e parte burocrática que você vai precisar enviar para a universidade para se candidatar (vale imprimir, escrever, fazer planilha, post it, etc. É isso que vai guiar todo o seu processo). Note que dentro de uma mesma universidade geralmente há várias escolas diferentes (School of Public Policy, School of Medicine, School of Business, etc) e cada escola tem requirements diferentes. Ainda mais: dentro de cada escola há vários mestrados diferentes, e cada um deles pode pedir coisas distintas para os aplicantes.

Passo 2: Os application requirements (montando o seu dossiê)

Ainda que os requisitos para um programa de mestrado sejam diferentes de Universidade para Universidade, existem algumas coisas que são comuns a quase todos. Eu vou primeiro listar os requisitos que todos costumam pedir, e depois os que podem ser adicionais dependendo do curso. O conjunto desses documentos é comumente chamado de “dossiê” e esse será seu “application”.

  • OFFICIAL TRANSCRIPTS: É o seu histórico escolar (acadêmico). O problema é que não adianta você imprimir suas notas e enviar por e-mail para eles. Você precisa solicitar um histórico oficial na sua universidade, enviar para uma tradutora oficial e pedir uma tradução juramentada. Algumas universidades americanas pedem, inclusive, que a tradução juramentada seja selada- ou seja, quando a pessoa traduzir, ela coloca em um envelope, fecha-o e assina no selo para evitar fraudes. Se você fez intercâmbio acadêmico e os créditos do seu intercâmbio contaram, você precisa ver se eles estão contabilizados pela sua faculdade, ou se você vai ter que pedir um histórico escolar para a faculdade que você fez no exterior também.

 

  • STATEMENT OF PURPOSE: Esta é a parte mais importante do seu dossiê, e é o que, provavelmente, vai te dar mais trabalho. No statement of purpose você tem que explicar em poucas palavras (geralmente são 500 palavras, no máximo, mas pode variar de um lugar para o outro- vale conferir isso) suas ambições e o que você já fez. Muito mais do que ficar citando sua experiência profissional, você tem que contar uma história. Uma sugestão que me ajudou muito foi seguir o seguinte roteiro: Quais foram as duas ou três coisas mais importantes que eu fiz para me trazer onde estou agora? Como elas me ajudaram a chegar aqui? Aonde eu quero chegar depois? Como estudar no mestrado X, na Universidade Y vai me ajudar a chegar lá? Lembre-se de fazer um texto bem coeso, ou seja, todos os items devem se relacionar e ter alguma relação com seu objetivo maior. Por isso mesmo não precisa transcrever todo o seu currículo – para isso você já vai enviar o CV. REVISE, REVISE, REVISE. Leia o seu statement muitas vezes, dê para outras pessoas lerem, peça para alguém corrigir o seu inglês, e leia de novo.

 

  • CURRÍCULO: Você vai precisar traduzir o seu currículo para o inglês (não precisa ser tradução juramentada, você mesmo pode fazer isso). Mas a minha sugestão é que você não apenas traduza literalmente. Vale dar uma adaptada, deixar as descrições mais objetivas (eles gostam disso por aqui), e enxugar excessos.

 

  • LETTERS OF RECOMMENDATION: Outra coisa EXTREMAMENTE importante no seu dossiê são as cartas de recomendação. Porque, afinal de contas, não adianta você mostrar que você merece estudar em determinado lugar, alguém importante tem que confirmar isso. E por alguém importante eu não quero dizer alguém famoso. O legal é ser alguém que te conheça bem (acadêmica ou profissionalmente) mas que também tenha uma posição importante. Por exemplo, no meu caso, eu usei uma carta de um professor que me ajudou muito nesse processo, uma carta do diretor do meu curso na faculdade, e uma carta do diretor da empresa que eu trabalhava (era uma empresa de médio porte, então eu tinha bastante acesso a ele). Algumas pessoas são muito ocupadas, então tenha sempre um modelo de carta em mãos caso eles nunca tenham escrito uma carta dessa antes. Na maioria das faculdades que eu prestei, eu nem li as cartas pois, no processo de application eles pedem o e-mail e telefone da pessoa que vai escrever sua carta, e eles mesmo entram em contato pedindo sua carta.

 

  • LANGUAGE PROFICIENCY: Para fazer um mestrado nos EUA, seu inglês precisa ser excelente. Quando mais famosa a universidade que você for prestar, maior vai ter que ser seu nível. Por excelente eu quero dizer um TOEFL de mais de 100 pontos (o máximo é 120). Yale e Harvard, por exemplo, requerem mais de 107 pontos. Algumas faculdades requerem mais de 95, e por aí vai. Tente fazer o máximo de pontos possível. Um TOEFL alto não vai te destacar no meio da multidão de aplicantes, mas um TOEFL baixo pode te desclassificar. Algumas universidades também aceitam o IELTS.

 

  • TEST RESULTS (ALGUNS): A maioria das universidades pede que você envie os resultados dos seus “Standardized tests”. A maioria dos MBAs, por exemplo, pede os resultados do GMAT, e outros mestrados pedem o GRE. Alguns programas não pedem nenhum. E outros não se importam se é o GMAT ou o GRE. Ambos os testes são uma prova que tem o intuito de medir o seu conhecimento acadêmico- ou seja, se você está preparado para uma pós graduação. No entanto, como as provas são padronizadas (standardized) para todos os cursos, as matérias que caem são matemática e gramática e vocabulário de inglês. É uma prova chatinha e que exige preparo, mas se você estudar você pode ir bem. Não existe nota de corte, mas alguns blogs não-oficiais falam o Score médio que você precisa pra entrar em algumas faculdades. Existem diversos cursos preparatórios online, e alguns físicos. Vale lembrar que esta é só uma parte do seu application, então ir bem faz toda a diferença, claro, mas não é a única coisa. Para saber mais sobre o GMAT, entre aqui. Para saber mais sobre o GRE, entre aqui.

 

  • WRITING SAMPLE (ALGUNS): Alguns mestrados (geralmente de humanas como ciências políticas e relações Internacionais) pedem que você escreve uma “writing sample”. A própria universidade vai especificar o tamanho, mas geralmente o tema fica a seu critério. Eu tive que escrever um sobre um tema pertinente de Relações Internacionais que se relacionasse com meu foco de estudos, e poderia ter um máximo de 5000 palavras. Mas isso é só um exemplo e a maioria das faculdades nem pede.

 

  • OUTROS: Dependendo do foco do seu curso, pode ser que haja algum outro documento necessário. Por exemplo, em um curso de artes ou moda, pode ser que peçam exemplos de obras ou peças que você já desenhou. Em um curso de jornalismo, pode ser que peçam artigos que você já tenha publicado, e por aí vai. Por isso é muito importante estar atento à lista no site de cada mestrado.

 

Passo 3: Bolsas de estudo e financiamento

Esta costuma ser a parte mais complicada para muita gente, já que mestrados e MBAs custam uma fortuna (alguns custam cerca de 30 mil dólares por ano), e achar financiamento não é uma tarefa fácil. Mas é possível, então veja algumas opções (que eu conheço, mas pode ser que tenham mais):

  • Financial Aid: Depende da faculdade, da escola, e do programa, mas algumas faculdades oferecem “funding” para os alunos. Ou seja, oferecem bolsas de estudo. Porém é MUITO difícil que esta bolsa seja integral. Aqui os pagamentos são feitos por matérias ou créditos, então alguns programas oferecem pagar parte desses créditos. Geralmente esse funding pode chegar a cerca de $15.000,00 dólares, mas tudo depende do seu application. Na hora de enviar seu dossiê (tem uma parte online), você tem que selecionar “finantial aid” para estar concorrendo a essa bolsa. Se eles te acharem um candidato valioso para o programa, eles vão te oferecer mais ou menos (ou nada) para você estudar lá.

 

  • Bolsa da Fullbright: A Comissão fullbright é uma das maiores redes patrocinadoras de estudos que eu vi desde que me mudei para cá. Deve ter mais de 100 pessoas do mundo todo com essa bolsa de estudo aqui em Georgetown, e milhares espalhadas pelos EUA. A bolsa não só cobre toda a tuition (preço da faculdade) como também te dá uma mesada. No entanto, existem algumas condicionalidades como voltar para o seu país. Você pode descobrir tudo sobre essa bolsa aqui.

 

  • Ciências sem Fronteiras: O ciências sem fronteiras deixou de ser apenas um programa de intercâmbio de graduação para estudantes de ciências e exatas, e tem se expandido cada vez mais. Agora, além de oferecer bolsas para Doutorados e Doutorado Sanduíche, ele também oferece bolsas para Mestrado profissional. Entre no site do programa para ver se a sua área é contemplada.

 

  • Fundação Estudar e Fundação Lehman: as mais famosas fundações educacionais do Brasil financiam estudantes nas mais prestigiosas universidades do Mundo. Então o “corte” ja começa por aí: você primeiro tem que ser aceito em uma das universidades no ranking das melhores do mundo. Eles tem bolsas de vários níveis e uma rede de contatos incríveis. Conheça mais aqui no site deles.

 

  • Bolsa da OEA: A Organização dos Estados Americanos, Organização Internacional com sede aqui em Washington, oferece bolsas e empréstimos para estudantes dos países membros (e o Brasil é, claro). Eles tem várias bolsas diferentes e alguns programas de empréstimo sem juros que podem valer a pena. Confira todas as opções no site oficial deles.

 

Passo 4: Enviando o seu “dossiê” e efetivando o application

Apesar de as universidades ainda pedirem que documentos oficiais (como os “transcripts” traduzidos) sejam enviados por correios, a base do processo de application é feita pela internet, ou seja, você completa a ficha de inscrição online, responde aos questionários online, mas precisa enviar alguns documentos suplementares por correio. Documentos como Currículo e Statement of Purpose são sempre enviados em PDF através da inscrição online.

Estes sites onde você envia (ou em inglês: submit) sua inscrição te permitem acompanhar se está tudo certo. Então se estiver faltando que você faça o upload de algum documento, eles geralmente mostram uma mensagem de aviso. É extremamente importante que você esteja com tudo pronto quando for fazer sua inscrição. E que sempre faça com algumas semanas de antecedência ao prazo (deadline) pois, se der algum problema, você ainda tem tempo de resolver. FIQUE MUITO ATENTO AOS PRAZOS E DATAS! Eles nunca aceitam inscrições fora do prazo, ainda que o site continue aberto para você preencher a ficha!

Passo 5: Os resultados

Os deadlines para fazer a inscrição são, geralmente, em meados de outubro. Eu comecei a receber as respostas em dezembro e fui recebendo até janeiro. Antigamente tudo era feito por cartas. Hoje, antes da carta, você vai receber um e-mail do diretor do curso (ou do diretor de admissão) te parabenizando. Caso você fique em lista de espera ou não seja aceito, você também vai receber o famoso e-mail “We are sorry to inform you that…”.

Este e-mail irá te dar as coordenadas para os próximos passos (inscrição, matrícula, pagamentos, documentos para o visto, etc.).

Passo 6: Preparação para ir

Passar é só o primeiro passo! E, apesar de já ser um grande passo, existem várias coisinhas burocráticas que você precisa resolver antes de ir, incluindo o VISTO! Para estudar nos EUA você vai precisar de um visto F1, ou de um visto J1 (caso você tenha uma bolsa Fullbright, por exemplo). Nós já fizemos um post bem completo sobre como tirar o visto F1 aqui.

___________________________________

É comum termos muitas preocupações antes de ir, tais como moradia, custo de vida, documentação, dentre outras coisas, mas o que é importante saber é que as grande universidades americanas oferecem uma infinidade de ajudas e suporte ao aluno internacional. Há escritórios e funcionários dedicados somente a te ajudar com a permissão para trabalhar, por exemplo, counselors caso você não se sinta bem ou estranhe algum aspecto da vida em outro país, diversos números de emergência, pessoal treinado para te orientar na busca da moradia, etc. Então não se afobe que, aos poucos, tudo vai se encaixando e, quando você parar pra perceber, já estará super acostumado e amando a sua vida no exterior!

Se você tiver mais alguma dica ou dúvidas sobre esse processo, não deixe de comentar aqui em baixo!

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais
por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Deixe seu comentário

  • Olá, Mariana. Ótimas dicas!
    Vc poderia explicar melhor como funciona o processo de submissão de documentos? Vi que algumas universidades somente aceitam inscrições para programas de mestrado via portal LSAC, o qual exige que os documentos acadêmicos sejam enviados pelas próprias instituições de ensino. Como isso funciona na prática? Eu, por exemplo, fiz gradução e mestrado em Universidades Federais. Como faço pra enviar meus documentos acadêmicos, já que eles precisariam estar traduzidos para o inglês e teriam que ser enviados pelas próprias Universidades? É tranquilo isso?
    Obrigado!

    • Oi Augusto,
      Realmente, alguns documentos precisam ser submetidos diretamente pela instituição, ou pela tradutora, que já sela a tradução dos documentos, e você só põe nos correios. No caso de ser enviado direto pela universidade, eles precisam ter a versão em inglês do seus documentos (o que não é comum), e então eles te dão já num envelope fechado e você põe no correio- ou no processo digital, eles enviam diretamente do e-mail institucional (mas você precisa ir conversar com eles antes).
      Cada Universidade tem o seu sistema próprio. Honestamente o que mais me ajudou foi conversar com todo mundo. mandei e-mail confirmando, liguei na secretaria da universidade, até ter a certeza de como poderia fazer. As vezes conversando (e pela situação do covid) as Universidades americanas podem flexibilizar o processo pra você inicialmente, com a pendência de você ter que providenciar as coisas mais tarde.
      Espero ter ajudado!
      Boa sorte

  • Olá Mariana!!

    Excelente texto!! Estou aqui acompanhando todas as informações do seu blog. Obrigado por nos trazer informações relevantes.
    Faz um ano que formei em biologia, tive boas notas na graduação e já fiz estágio na minha área, inclusive tendo feito uma iniciação científica. Porém, estou a um ano fora da área e pretendo fazer um mestrado nos EUA para alavancar minha carreira. Tenho inglês intermediário, será que mesmo tirando uma boa nota no TOEFL ou IELTS consigo uma vaga, ou tenho que ter o inglês fluente?
    E última pergunta, por estar um ano fora da área e ter 31 anos , isso pode me atrapalhar?

    • Oi Julio,
      Que bom que o texto te ajudou!
      Se você tirar uma nota boa no TOEFL (veja nos requirements das universidades qual é a nota de corte de cada uma), não importa se seu inglês não é tão fluente. Mas vale começar a já ler bastante em inglês pra ir treinando, porque o ritmo do mestrado é beeeeem intenso, e 100% em inglês!
      Quanto à idade, não é um problema. Você vai ver muitas pessoas mais novas, porque os americanos “emendam” o mestrado, mas não significa que ser mais velho é ruim- ao contrário, você tem mais experiência e isso pode te valorizar na hora do application!
      Espero ter ajudado!
      Boa sorte!

  • Olá!
    Muito obrigada pelas informações!
    Minha dúvida é bem simples, vc acha que um histórico escolar mediano/ruim seria um entrave muito grande para conseguir o mestrado? Mesmo em universidades não tão famosas? Ou o nível de exigência é sempre muito alto para os EUA no geral?

    • O processo seletivo para uma universidade americana e’ sempre algo composto, como um pacote. Então, teoricamente, se você tiver resultados mais fracos em um dos aspectos, mas conseguir compensar com outros, talvez notas mais baixas não influenciem tanto assim. No entanto, vale se atentar para o que pede cada uma das universidades em relação ao GPA (a media global). as vezes eles pedem um minimo e, nesse caso, você precisa ver se suas notas são suficientes para alcançar esse minimo. Caso não alcance, dai acho mais difícil conseguir ser aceita. Então vale procurar essas notas e ver qual delas se adequa mais ao seu histórico!
      Boa sorte!

  • Ana Carolina

    Oi Marianna, tudo bem?
    Adorei a explicação sobre o application, estou interessada em fazer mestrado lá e está sendo bem difícil achar pessoas dando esses detalhes e dicas. Obrigada!
    Eu tenho uma dúvida quanto aos transcritos da universidade, estou meio perdida no que eu preciso fazer primeiro. Os documentos necessários são só o histórico e diploma? Eles precisam ser traduzidos e validados antes de enviar pros eua? Eu vi que tem como validar e fazer a equivalência pelo WES, mas não sei como e em que momento isso seria feito. Eu preciso fazer isso e pedir que a faculdade apenas envie? Ou quando eu explicar minha situação para a faculdade e pedir que eles enviem esses documentos, já é feito todo o esquema de tradução/validação/equivalência por eles mesmo?
    Outra coisa, até o deadline esses transcritos já precisam ter sido enviados? Qual o prazo em relação à isso? Porque eu provavelmente vou completar antes meu application online e ficaria esperando só a faculdade enviar os documentos. O que você sugere que eu faça?
    Obrigada!!

    • Oi Ana,
      Realmente esse processo todo e’ muito confuso e complicado. Mas com organização e antecedência, você consegue fazer tudo direitinho.
      Se a escola que você vai aplicar pede que seus “transcripts” sejam enviados selados (ou seja, direto da tradutora juramentada), então coce manda seu application já e depois vão os transcripts (sempre dentro do prazo). Se não, recomendo que você mande tudo junto num pacote só.
      No meu caso, minha universidade já fez pra mim um histórico escolar em inglês, e não precisei traduzir. Mas alguns outros materiais eu traduzi, e o tradutor mandou selado diretamente pra universidade- que pedia isso.
      espero ter ajudado, e boa sorte!!

  • Oi Mari! Adorei a sua história. Viu…sabe se a sua idade influencia no processo de application do mestrado? Faço relações públicas na USP e me formo ano que vem. Já fiz 1 ano e meio de empresa júnior, trabalhos voluntários e fiz um intercambio social no Egito por quase 6 meses. No momento, estagio num banco renomado no Brasil em marketing digital e quero muito um mestrado na área comunicação/marketing. A minha dúvida mesmo é em relação à idade e experiência, pois apesar de formada, eu não terei muitos anos de experiência profissional como “analista júnior” por exemplo e terei 22 anos. Super obrigada!

    • Oi Mari,
      A idade nao costuma influenciar o processo, mas sim a experiencia. Pelo que voce esta contando, voce ja tem um background bem legal e bastante experiencias para aplicar para um mestrado- apesar da pouca idade. Nao se preocupe com isso, e foque em ressaltar seus “achievements” no intercambio do egito, empresa junior e etc.
      Boa sorte no processo! 🙂

  • Oie! Vi que você fez mestrado em Georgetown e agora trabalha no Banco Mundial, certo? Como foi o processo de ir pros EUA para estudar e depois conseguir um emprego…antes de terminar o mestrado você se inscreveu em vagas de emprego ou voltou ao Brasil e tentou depois?

    • Oi Juliana,
      Foi direto depois do mestrado, pois quem estuda aqui ganha o direito de um ano de visto de trabalho logo apos a formatura (chamado OPT). EU aproveitei esse visto e procurei emprego e dai acabei ficando. O que e’ muito bom tambem e’ fazer estagios e contatos enquanto esta no mestrado.
      Boa sorte!

  • Oi Mari! Eu pretendo passar alguns meses de férias nos Estados Unidos. Eu teria algum inconveniente em ficar lá durante todo o período de application process, dossie ate sair os resultados? ( Pois, para melhorar o inglés também).

    • Oi Regis,
      Depende do seu visto. Com o visto de turista voce nao pode ficar aqui mais de 3 meses. A gente nao recomenda desrespeitar essa regra, pois pode te trazer complicacoes depois. Agora se voce tiver pensando em ficar menos de 3 meses, pode ser uma boa ideia pra ir aperfeicoando o ingles.
      Boa sorte!

  • GIANNY CHUMACERO

    BOM DIA! PODE ME INDICAR ALGUMA FACULDADE QUE EU POSSA FAZER MESTRADO EM JOELHO. SOU ORTOPEDISTA.

    • Oi Gianny,
      Nao conhecemos muito as universidades na area de saude. Voce pode olhar o ranking dos melhores hospitais para ortopedia nos EUA e comecar sua busca por ai.
      Boa sorte.

  • Gabriela

    Boa noite, muito obrigada pelas informacoes! Gostaria de saber sobre aplicar para mestrado, se existe a possibilidade da Universidade nao aceitar somente a sua graduacao e pedir alguns creditos a mais, algumas materias a mais? Desde ja obrigada!

    • Oi Gabriela,
      Depende. Por exemplo, eu apliquei para uma faculdade que tinha como requisito ter cursado micro e macro economia. Como eu tinha isso na graducao, apenas destaquei no curriculo academico. Mas eles tambem aceitariam cursos de micro e macro extracurriculares. Em geral, porem, nao e’ comum pedirem creditos extras como requisito.
      Boa sorte!

  • Rieny Fernandes

    Já faz um tempo que acompanho seu blog e muito obrigado por compartilhar tanto conhecimento (e de graça!).

    Bem, primeiramente, assim como todos que sonham estudar nos EUA, eu sou um desses milhares, mas confesso que não sei por onde começar! São tantas as informações que fico na dúvida por onde começar, qual prova fazer, qual documentos enviar etc.

    Bem, acontece que já faz 3 anos que busco oportunidades para estudar fora, e me deixa até desmotivado por conta disso.
    Gostaria, se possivel, de uma orientação, um norte, uma Luz (até para isso estou apelando rsrrs) de como começar, o que fazer etc.
    É um sonho que desejo ardentemente realizar.

    Para resumir um pouco, me formei em Administração em 2015, numa Universidade Estadual, aqui no Ceará. Sempre fui um bom aluno. Atualmente ajudo um projeto social, economico e empreendedor. Tenho uma pequena agência de comunicação onde atendo algumas empresas como serviços de Marketing. E em 2012 tirei meu visto de Turista vale por 10 anos.

    Sonho em estudar em algumas das escolas de negócio, como Columbia (sonhas nunca é demais, né?), mas como falei, não sei por onde começar! o Foco seria uma Pós mesmo.

    Você pode me dar um luzinha?

    • Oi Rieny,
      Fico feliz em saber que voce gosta e acompanha o blog.
      Eu não sou nenhuma expert em intercâmbios mas com certeza ficarei mais que feliz de compartilhar com você um pouco da minha experiência aplicando para universidades no exterior e estudando aqui.
      Primeiro de tudo, só pela pequena história sobre sua carreira, já da pra perceber que você tem MUITO do que as universidades americanas costumam gostar: voce é de um país em desenvolvimento, é empreendedor (tem sua própria agência) e ajuda em trabalhos sociais, além de ter feito uma boa universidade. Explorando bem essas e outras das suas qualidades é possivel fazer um application forte e competitivo (até mesmo para Columbia).
      No entanto, antes disso, tem uma fase inicial de pesquisa que é muito importante. Você precisa, antes de mais nada, saber que escolas e que programas quer fazer. Cada escola tem um perfil diferente e achar esse “fit” é o que mais exige o seu tempo de pesquisa. Vale fazer buscas na internet, procurar eventos, conversar com pessoas. Dai faz uma listinha das suas 8/10 preferidas e, a partir dai, comece a ver os requirements para aplicar para cada uma delas. Vendo os requirements você já pode tambem ver como funcionam as bolsas de estudo e como fazer pra concorrer a uma.
      Acho que essa é a luzinha inicial. Pesquisa bastante sobre as escolas de negócio que você sonha estudar (perfil do aluno, professores, quais as matérias, atividades extracurriculares que oferecem) e faça sua lista com as preferidas. Dai faz um arquivo no excel (eu amo excel) com a lista de requirements de cada uma, e assim veja como voce vai conseguir preencher esse requirements (quem vai fazer suas cartas de recomendação, nota do TOEFL, GMAT se tiver, e etc).
      Quando voce tiver essa listinha e se encontrar alguma dúvida sobre o application, volta a falar com a gente que eu tento te ajudar um pouco mais!
      Espero que essa luzinha já te ajude! 🙂
      Boa sorte, to torcendo por você!
      Mari

      • Rieny Fernandes

        Owwww!!!!

        Mari, mutio obrigado! Pela primeira vez nesses 2 anos buscando informações sobre estudar nos EUA tive uma luz! Obrigado!

        Vou fazer essas recomendações que me orientou.

        Meu foco mesmo é fazer a Pós. Mas como falei, ainda fico muito confuso. Pois próximo ano, muito provável, iniciar o Mestrado aqui.
        As universidades americanas aceitam “Intercâmbio de Mestrado”(nem sei se isso existo kkk).

        Enfim. Assim que fazer todo esse processo eu retorno. Abração!

  • Olá, eu vou me formar em enfermagem e gostaria de fazer um mestrado ou um pós nos eua na caso só para estudar eu já teria de validar meu diploma , eu pesquisei muito essa área sei que é possipossível eu morar lá mas eu arrumaria emprego fazendo mestrado ou pós lá?

    • Oi Tamires,
      e’ muito dificil dizer se voce conseguiria arrumar um emprego ou nao. Isso depende da cidade, da area de trabalho, da oferta do mercado, das opcoes de permissao de trabalho que sua escola te daria. Infelizmente nao tem como te dizer como seria.
      Boa sorte!

  • Sobre o mestrado nos EUA
    Eu poderia fazer a faculdade de medicina aqui no Brasil e fazer um.mestrado lá?Ou não?
    Nos EUA tem vaga de Residência ou Especialização?
    Grata!

    • Lara, nao entendo muito da area de Medicina, mas sei que se voce nao fez faculdade nos EUA e quer fazer residencia aqui voce tem que prestar uma prova para validar seu diploma que dizem ser bem dificil de passar! Mas, infelizmente, nao tenho mais informacoes sobre essa prova…
      Boa sorte!

  • Eu tenho uma dúvida: pretendo aplicar pra mestrado nos EUA, eu preciso enviar o meu diploma de graduaçao já no application? Porque vou me formar e o diploma demorará uns 6 meses pra ser expedido (ou seja perderia o prazo pra tentar ingressar ainda nas turmas de Setembro).

    E sobre validaçao de diplomaa, fasenro o mestrrado fora, eu já poderia ingressar no mercado de trabalho americano sem precisar validar o meu diploma?

    Muito obrigada!

    • Oi Janaina,
      Voce pode pegar uma declaracao oficial na secretaria da Universidade que funciona. A minha ja ate fez em ingles, com assinatura do diretor e tudo, assim nao precisei traduzir.
      Para o mercado de trabalho americano nao precisa de validacao ja que a instituicao de ensino eh americana. A questao eh mais para quando voce voltar para o Brasil (e ainda assim serve mais pra carreira academica do que para mercado de trabalho).
      Boa sorte com seu application!

  • Quando eu me formar eu vou fazer uma pós graduação ou mestrado(não como é o nome aí) quando eu acabar você sabe se é muito difícil conseguir uma proposta de emprego?? Se faz estagio enquanto faz o mestrado?? Obg,a minha área é ti

    • Oi Lucas,
      Com o seu visto de estuante pro mestrado voce tem direito a uma autorizacao pra trabalhar por 20h por semana no maximo, e isso facilita encontrar estagios e emprego, mas dai depende muito da sua area, da sua experiencia, etc.
      Boa sorte!

  • Olá, tenho uma dúvida.
    A minha intenção é ir com o visto para trabalho H1b se não em engano, juntar uma grana e depois engajar em um mestrado por lá. Você acha que isso é possível? Será que facilita ou complica desta forma? Obrigada!!

    • Camila, se voce tiver o visto de trabalho e quiser estudar, e mais facil do que fazer o inverso. Voce so tem que ver se tem alguma regulamentacao do numero de horas que voce pode trabalhar, se podera estudar full time ou part time, essas coisas. Mas se voce fizer tudo direitinho nao tem porque dar problemas ou complicar! Boa sorte!

  • Olá,

    Ótimas dicas e orientações. Obrigada pelo compartilhamento da experiência, que sempre auxilia aqueles que irão começar. Valeu muito!!
    Obrigada,
    Patrícia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.