Bali – Minha experiência em um curandeiro em Ubud


Atualizado em:


Quando falo que fui a um curandeiro em Ubud, ou as pessoas acham o máximo e querem saber tudo sobre, ou me olham como se eu fosse louca e descredibilizam o acontecimento. A verdade é que foi uma das experiências mais interessantes que tive, mas acho essencial você ir de cabeça e mente abertas.

Eu amo tudo que é relacionado com espiritualidade, natureza, e também adoro coisas místicas e esotéricas. Por isso gostei do que vivi. Se você não acredita e acha tudo uma baboseira, então melhor nem ir e aproveitar outras dezenas de passeios em Ubud.

O local onde tudo aconteceu para mim.

O local onde tudo aconteceu para mim.

Antes de tudo, uma história para evitar frustrações!

Ubud tem vários curandeiros e fortune tellers (videntes), mas todo cuidado é pouco na hora de escolher onde ir. Deixa eu contar uma história pra vocês. Eu fui para a Indonésia com outros 29 blogueiros de viagem (!). Uma das blogueiras era apaixonada pelo livro “Comer, Rezar e Amar” e queria muito ir a curandeira que aparece no filme, a Wayan Nuriasih, que tem uma loja chamada “Traditional Balinese Healing” em uma das ruas principais de Ubud.

Pois bem, lá foi ela. Ao chegar ela já pagou uma quantia para se consultar. Até ai, ok. Depois de falados alguns tópicos sobre a saúde, chegou um um determinado momento em que a curandeira falou que ela tinha câncer de mama e que por mais 2 milhões de rúpias (500 reais) ela a curaria! Claro que ela levantou e foi embora dali com raiva do esquema “pega turista” que ela tinha caído, já que a mulher estava mega famosa e abusando do seu estrelato. Mas, ao mesmo tempo, ela ficou com a pulga atrás da orelha a viagem toda, e tenho certeza de que ela chegou nos EUA e foi direto para um médico fazer exames de rotina (pelo menos eu teria feito isso, por via das dúvidas).

Esse tipo de coisa mexe com a gente. Então, você tem que ir em alguém que não vai abusar da sua condição de turista e também tem que ir relaxado, sem levar muito a sério, como se tudo que ele/ela falasse fosse uma certeza absoluta.

Como eu escolhi em que curandeiro ir?

Depois dessa história eu já estava decidida a não procurar nenhum curandeiro para ir.

Um dia fui a uma loja de produtos orgânicos e naturais (Angelo Store) para comprar cremes para o cabelo, óleos de corpo e cosméticos. A loja foi indicação de uma tia de uma amiga que vive há mais de 15 anos em Bali e sabe tudo sobre a região.

Angelo Store em Ubud

Angelo Store em Ubud

Chegando lá me deparei com uma moça jovem (tinha uns trinta e poucos anos) sentada em uma cadeira no fundo da loja, recebendo uma massagem de um homem que tinha muita habilidade. Depois de um tempo procurando os meus produtos, vi que a moça ficou muito emocionada e começou a chorar.

Isso já me deixou com a pulga atrás da orelha.

Esse homem não falava inglês e se comunicava em Bahasa com uma outra atendente da loja, que traduzia o que ele dizia para a cliente.

Perguntei para ela o que estava acontecendo naquela mesinha no fundo da loja. Ela disse que o moço era um curandeiro que estava descobrindo algumas questões de saúde através do toque em partes estratégicas no corpo da cliente.  O corpo dela mostrava para ele os problemas de saúde que a estavam afetando.

He’s a healer“, ela me disse.

Perguntei quanto ele cobrava pela sessão. A resposta foi surpreendente. “Ele não cobra nada, aceita apenas doações na quantia que você quiser ou puder pagar”.

Bom, um curandeiro que nem fala inglês, que mexe com produtos da natureza e que não cobra por sessão? Me pareceu bem autêntico. Para quem não queria procurar um, eu acabei sendo encontrada pelo meu curandeiro.

Como ele não tinha mais disponibilidade naquele dia, deixei agendado um horário para a manhã seguinte.

Como é ir a um curandeiro em Ubud?

Fui apenas a um deles. Cai de para-quedas quase que literalmente.

Quando cheguei me colocaram sentada na simpática cadeira em frente a mesa no fundo da loja e me ofereceram (por conta da casa) um chá para me acalmar e para desintoxicar. Fui informada: “o chá pode te deixar um pouco sonolenta”.

EPAAAAA!

Pessoa desconfiada como sou, foi nessa hora que meu instinto “mulher viajando sozinha” começou a falar mais alto: Beber ou não beber o chá? Eu tenho a capacidade de ter uma imaginação muito criativa no menor sinal de perigo.

Minha decisão foi esperar o chá esfriar e observar a reação da atendente e do curandeiro (não acredito até agora que perdi o papel onde anotei o nome dele – mania de lutar contra os avanços tecnológicos quando eu podia simplesmente ter escrito no celular).

Passado alguns minutos eles começaram com a sessão e me avisaram que iam usar um óleo para fazer a massagem. Avisaram-me também que o “healer” ia tocar em pontos do meu corpo com objetivo de encontrar lugares que poderiam ou não causar dor.

Sem problemas.

A massagem começou nos ombros e nas costas. Estava super relaxante, até o momento em que a mão começou a ficar forte demais. Tudo bem, ainda era um desconforto tolerável e de certo modo agradável.

Depois ele foi para os meus braços, e focou principalmente no antebraço. E foi aí que a coisa começou a ficar apertada, literalmente! Pensa em uma massagem dolorida. Mas dolorida mesmo! Parecia que ele estava sentido, medindo, analisando todas as veias, músculos, ligamentos, e o que mais que existisse no meu braço.

 

Recebendo a massagem (dolorida) do curandeiro da Angelo Store

Recebendo a massagem (dolorida) do curandeiro da Angelo Store

Mas foi aí que começou a ficar interessante, e ele começou a falar mais:

-Você tem problemas no estômago, certo? Esse problema vai e volta em diferentes momentos da sua vida e você vai ter que lidar com isso para sempre. Na verdade você está com problema de estômago nesse minuto. CERTO.

-Você já teve alguns problemas respiratórios e precisa cuidar dos seus pulmões. Você não consegue ficar perto de poeira, ácaros e coisas do gênero. CERTO novamente. Nesse caso ele me recomendou chá de curcuma.

-Sua cabeça e sua perna estão ótimas. CERTO, afinal nunca tive problemas com isso.

-Olhando a parte de baixo das suas costas fico com uma dúvida. Ou você sofreu um acidente ou você bebeu muito nos últimos dias. Como eu acho que a questão é bebida, beba bastante água, coma antes de sair pra beber e beba ainda mais água.

Sim, ele sabia até que eu tinha bebido muito na noite anterior só porque minhas costas estavam secas e com um aspecto não muito saudável (e eu de fato tinha passado da conta na noite anterior). Caramba, CERTO de novo.

Chegou um momento que eu já estava tão a vontade e tão impressionada com tudo que ele sabia sobre mim sem nem me conhecer pessoalmente, que quando vi já estava quase terminando meu chá enquanto discutíamos sobre minha saúde.

 

Cara de acabada pós 25 dias intensos sem nem dormir direito, tomando um cházinho para relaxar.

Cara de acabada após 25 dias intensos de viagem, quase sem dormir. E já na minha segunda xícara de chá! 

 

A sessão foi rápida e durou em torno de 25 minutos. Foi intensa, objetiva e NADA sensacionalista. Durante a conversa ele me aconselhou sobre chás que eu deveria tomar e alimentos que eu deveria ingerir e em nenhum momento ficou tentando me vender seus próprios produtos (muito pelo contrário, tive que ir atrás dele para ele me mostrar quais eram alguns produtos de plantas com nomes em inglês que eu não fazia a menor idea da tradução em português).

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *