Naoshima: um guia completo da ilha de artes do Japão


Atualizado em:


Não é segredo pra ninguém que Naoshima foi meu destino preferido no Japão*. E eu já esperava por isso. O simples conceito do lugar me parecia o paraíso: uma ilha inteira dedicada a arte contemporânea e arquitetura, onde você ainda consegue passar a noite em um hotel magnífico na beira do mar. Tudo que eu gosto em um só lugar. Se você também é fã desses temas e se animou com a descrição, vem conhecer mais sobre Naoshima e descobrir porque você deve incluir o destino na sua viagem pelo Japão.

Antes de ir sofri muito para encontrar um bom conteúdo e informações completas sobre Naoshima. Espero que você não sofra do mesmo problema, pois tentei escrever o guia mais completo possível sobre o destino. Veja o que você vai encontrar nesse post:

1- O que é, e onde fica Naoshima (não vale falar “no Japão”)
2- O que fazer em Naoshima? (art, art, art!)
3- Como chegar lá (trem+trem+ferry, eu explico!)
4- E como inclui-la no seu roteiro (é mais fácil do que parece)
5- Quantos dias ficar (garanto que você vai querer ficar mais)
6- Onde ficar em Naoshima (as grandes estrelas e um dos motivos que me apaixonei)

*PS – não me levem a mal, eu amei várias outras cidades do Japão, e Tokyo está no meu top 3 de grandes cidades do mundo. Mas Naoshima roubou um pedaço do meu coração. ♥

Naoshima, ilhade artes do Japão

O que é e onde fica Naoshima?

Naoshima é um dos destinos de arte contemporânea mais únicos do mundo, mas quem a vê hoje não imagina que a cidade-ilha era antigamente apenas um grande depósito de resíduos industriais. Esse feito só se realizou graças ao desejo do empresário bilionário Soichiro Fukutake, e do prefeito de Naoshima da época, Chikatsugu Miyake, em meados de 1985. Ambos queriam desenvolver a área transformando-a em uma ilha cultural e educacional. E conseguiram!

Naoshima fica no mar interior de Seto, entre a grande Honshu (maior ilha do Japão onde está Tóquio e Quioto) e Shikoku. A cidade mais conhecida perto de Naoshima é Okayama, famosa por abrigar um dos três grandes jardins japoneses, o Korakuen. Veja o pin vermelho no mapa abaixo indicando onde fica Naoshima.

mapa de Naoshima

Naoshima: uma ilha no meio de tantas outras ilhas.

O que fazer em Naoshima

A ilha de Naoshima por si só reserva paisagens naturais lindíssimas. O mar é de um bonito azul que contrasta com o verde que cobre os montes e colinas. Andar por lá e pelos vilarejos de Miyanoura e Honmura já são um passeio a parte e muita gente também explora a ilha de bike. Mas se Naoshima se tornou o destino notável que é hoje foi por causa da arte e arquitetura. E são esses os principais passeios que você encontrará por lá. Veja os destaques das atrações de Naoshima.

-Benesse House

Com o conceito de “coexistir natureza, arte e arquitetura”, o Benesse House é museu e também hotel (falaremos disso no final do texto). Projetado por Tadao Ando, famoso arquiteto japonês, foi aberto em 1992. Obras de arte contemporânea se integram com a paisagem e vistas do mar. Além do hotel, há também o restaurante ISSEN de culinária japonesa que serve refeições kaiseki (um estilo de servir pratos elaborados, com apresentações incríveis no estilo menu degustação). Prepare o bolso se quiser jantar por lá, nossa conta ficou em 20.000 ienes para o casal, mas jantamos super bem do lado de quadros de Andy Warhol e vendo o pôr do sol com uma vista magnífica.

Benesse House Museum Naoshima

Flutuando no Benesse House Museum em Naoshima.

-Chichu Art Museum

Um dos meus preferidos. A maior parte desse museu foi construída debaixo da terra! E o mais incrível é que o projeto é tão bem feito e o museu é tão bem iluminado que eu só notei esse detalhe no final da visita, e só porque me falaram. Também foi projetado por Tadao Ando, e ele escolheu fazer o museu parcialmente subterrâneo para interferir o mínimo na natureza e evitar estragar o belo cenário natural da ilha, além de fazer com que a luz que entra mude a aparência das obras e do próprio prédio, ao decorrer do dia e nas diferentes estações do ano. Sensacional, não é?

No Chichu há obras de Claude Monet, Walter de Maria e James Turell no acervo permanente. E no caminho entre o edifício onde você pega os seus tickets e o edifício do museu, está o Chichu Garden, um jardim inspirado nas obras de Monet, que te ajudam a entrar no clima do que será visto lá dentro. Além das obras de arte, há um café lá dentro onde eu almocei, mas que não vale a pena e é desnecessariamente caro. A vantagem é a vista e a beleza do lugar, se quiser só pae para um café ou pelo lugar mesmo.

Chichu Art Museum visto de cima

Impressionante, não é? Foto: divulgação oficial.

-Art House Project e Ando Museum

Alugas antigas casas japonesas de madeira do vilarejo de Honmura foram restauradas e transformadas em instalações artísticas. Artistas japoneses e de outras partes do mundo deram vida a casas que estavam abandonadas e vazias (algumas com mais de 400 anos!) e levaram movimento ao vilarejo, que hoje tem vários cafés e restaurantes fofos (preferiria muito mais ter almoçado aqui do que no café do Chichu).

Você compra seu ticket na lojinha Honmura Lounge e Archive e ele na verdade é um panfleto com mapa e espaços para carimbar na frente de cada instalação, a cada vez que você visita-la. Todas são bem acessíveis caminhando, e a Minamidera é a mais concorrida e com reserva e fila de espera. A experiência de andar pelo bairro e entrar nas instalações é imperdível!

O Ando Museu é dedicado ao arquiteto que basicamente projetou toda a ilha de Naoshima, Tadao Ando. Fica no mesmo vilarejo que o Art House Project, em Honmura.

Haisha Art House Project

Haisha, antiga casa e escritório de um dentista local transformada em instalação de arte.

-Abóbora Gigante da Yayoi Kusama

E é claro que em Naoshima não poderia faltar as famosas esculturas de abóbora da artista plástica japonesa Yayoi Kusama. E na ilha não há apenas uma abóbora gigante, mas sim DUAS! Uma está localizada perto do Benesse House e é amarela, e outra fica do lado do porto e tem outro formato e é vermelha.

A obsessão da artista por bolinhas e abóboras é resultado de distúrbios psicológicos causados por conta de uma infância complicada no Japão. Após canalizar os seus problemas para a arte, hoje Yayoi Kusama é artista mais famosa do Japão e um dos grandes nomes da arte contemporânea do mundo. Aproveite sua ida ao país para conhecer mais sobre a intrigante vida de Yayoi Kusama.

Abóbora Gigante Yayoi Kusama

A famosa abóbora gigante da Yayoi Kusama em Naoshima

Giant Pumpkin Yayoi Kusama Naoshima

Agora a abóbora vermelha, perto do porto.

-Obras de arte a céu aberto, e banho medicinal

Na ilha inteira há esculturas ou instalações artísticas. Só no entorno do Benesse House há mais de vinte trabalhos a céu aberto para você explorar. Explore o mapa e procure as esculturas na frente do Park, na pontinha da ilha e em outras áreas. Um deles (número 17 do mapa) é chamado de “Cultural Melting Bath”, e aos domingos os hóspedes do Benesse House podem tentar reservar um banho com ervas medicinais que acontece num ofurô a céu aberto!

Ofuro a céu aberto

Quando fui esse ofurô estava vazio e fiquei me perguntado se funcionaria. Depois que voltei achei a info que funciona aos domingos para alguns sortudos que se hospedam no Benesse House e conseguem vaga. Foto: divulgação.

Arte em Naoshima

Essa obra ficava perto do porto que chegamos.

-Teshima e Inujima

Além de Naoshima, duas outras ilhas fazem parte do Benesse Art Site: Teshima e Inujima. A 30 minutos de ferry de Naoshima, em Teshima há um museu de arte que é a estrela da ilha, além de outras atrações. Inujima é uma ilha menorzinha, que fica a 50 minutos de ferry de Naoshima e tem seu próprio Art House Project além de outras atrações também relacionadas a arte, claro. Infelizmente não consegui visitar as duas ilhas por falta de tempo, mas adoraria ter conhecido o Teshima Art Museum que tem o café mais futurista ever.

Teshima Art Museum Japão

Teshima Art Museum e suas linhas incrívelmente modernas.

O café super cool do Teshima Art Museum.

O café super cool do Teshima Art Museum.

-Lee Ufan Museum

Bem curto e rápido de visitar. A proposta do Lee Ufan Museum é oferecer uma contemplação mais silenciosa e reflexiva para os visitantes. Ele é pequeno, por isso a visita é bem mais rápida. Mas, na minha opinião, esse foi o museu menos imperdível dos três que visitei.

I ♥︎ YU (Casa de Banho)

O “I♥︎湯” (yu significa água quente, ou banho em japonês) é uma bathhouse onde os visitantes podem de fato tomar os famosos banhos japoneses. Eu só passei na frente para conferir o visual da casa que é toda descolada, com mosaicos e peças diferentes, mas acho que vale tentar marcar um banho pra encerrar o dia de um jeito diferente e quem sabe fazer amigos, afinal são banhos comunitários!

Casa de banhos japoneses

Se quiser não precisa nem tomar o banho, apenas ver a casinha perto do porto.

Como chegar em Naoshima?

Okayama é o principal ponto de partida de quem deseja ir até Naoshima, e é fácil chegar lá de trem a partir de Hiroshima, Quioto, Osaka, e de avião a partir de pontos mais distantes. Uma vez em Okayama você deve pegar um trem local até Uno, que tem duração de 50 minutos em média. Esse trem geralmente tem uma baldeação rápida em Chayamachi (bem rápida mesmo, de 5 a 10 minutos), e durante essa parada você troca de trem, que na maioria das vezes sai da mesma plataforma que você chegou. Ao chegar em Uno, você sai da estação e caminha até o porto que está ali ao lado e pega o ferry de 20 minutos até o Naoshima. E pronto.

Esse é o jeito mais prático do turista chegar em Naoshima, e Uno é a cidade em Honshu mais próxima da ilha. Mas também é possível ir a Naoshima de ferry a partir de Takamatsu, cidade que fica na ilha de Shikoku e que tem um aeroporto que recebe vôos de Tokyo e Okinawa. Mas provavelmente ir por Uno será a opção mais fácil no seu roteiro. Afinal, não são muitos os turistas que exploram Shikoku.

Em suma, o trajeto de ida fica assim:

Okayama (trem de 50 minutos com parada em Chayamachi) -> Uno (ferry de 20 minutos) -> Naoshima

O trajeto de volta é a mesma coisa, mas de trás pra frente. Ferry de Naoshima até Uno, depois trem até Okayama com parada rápida em Chayamachi, e depois trem ou avião de Okayama até o seu destino final. No nosso caso, pegamos mais um trem de 40 minutos de Okayama a Hiroshima.

Embora seja bastante recomendado reservar os tickets de trem, os bilhetes da balsa só podem ser comprados na hora. E nem precisa se preocupar porque ela é enorme.

porto naoshima

Tirei essa foto assim que saímos da estação de trem. Se olhar bem da pra ver o ferry ao fundo. Uma caminhada bem curta.

porto naoshima

Entrada do pequeno porto de Naoshima.

vending machine naoshima tickets

Os tickets para o ferry de ida são comprados na máquina, e podem ser só de ida ou de ida e volta. Preços em iene na foto.

ferry para naoshima

Entrando no ferry. Na ida fomos nesse grandão que leva também carros, e na volta pegamos um apenas para pedestres. Tanto faz, por isso escolha o horário que for mais conveniente.

ferry naoshima

Foto de outro ferry menor, que tirei do deck do nosso ferry de ida.

Como incluir Naoshima no seu roteiro?

Acredito que é quase impossível não visitar Quioto em uma primeira viagem ao Japão (e até em uma segunda, terceira…). Também recomendo muito a visita a Hiroshima, uma cidade que teve um poder transformador sobre mim.  E o melhor jeito de incluir Naoshima no roteiro é visita-la no caminho entre as duas.

No nosso roteiro nós saímos de Kyoto cedo, curtimos o dia inteiro em Naoshima, dormimos por lá e seguimos para Hiroshima no dia seguinte. Por mais que pareça cansativo, não foi. Isso porque os trajetos de trem eram rápidos e confortáveis, o ferry já era parte do passeio na minha opinião, e principalmente porque as malas grandes não estavam conosco (mandamos tudo de Quioto para Hiroshima via Takkyubin, um serviço de delivery de malas que já expliquei nesse post), então viajamos apenas com duas mochilas leves e uma mala de mão.

Você também pode escolher ir a partir de Quioto e depois parar em Okayama para conhecer a cidade, ou ir de Okayama para outro destino (encerrar a viagem indo de avião para Tóquio, ou pegar um trem para Osaka). Se quiser ser mais prático ainda, pode pegar um vôo de Tóquio até Takamatsu e de lá pegar um ferry até Naoshima. Essa opção provavelmente será a mais cara, mas será rápida e confortável. De todo modo, não é difícil incluir Naoshima no seu roteiro.

Mar Naoshima

O mar azul consegue deixar a visita ainda mais especial.

Quantos dias ficar em Naoshima

Conforme falamos, há muito o que fazer em Naoshima. Por isso, o ideal que eu indicaria é ficar duas noites por lá, e, assim, conseguir aproveitar dois dias inteiros de passeios. Mas também sei como é difícil organizar uma viagem para o Japão que contemple tudo o que você quer ver no tempo que você tem, e o Japão também tem muitas outras cidades imperdíveis. Além disso sei que geralmente não temos tantos dias de férias, certo? Por isso que no final o que acho mais viável é passar uma noite em Naoshima, que foi o que fiz.

Como disse, nós saímos de trem de Kyoto as 8h da manhã. Chegamos em Naoshima em torno de 11 horas e tivemos o dia todo para aproveitar bem e também descansar no hotel. No dia seguinte ainda conseguimos explorar pela manhã e partimos da ilha rumo a Hiroshima por volta do meio-dia e meia. Consegui ver tudo o que eu queria por lá, mas não visitei Teshima e nem Inujima. Ficando um dia a mais eu provavelmente alugaria uma bike e sairia explorando também as paisagens da ilha. Mas pra mim já foi excelente e foram 24 horas incríveis.

Sobre bate e voltas, acho que só faz sentido se for feito a partir de Okayama, que é a cidade grande que está mais perto de Naoshima (uma pernada demora em torno de 1:45h). Mas sou muito mais a favor de passar pelo menos uma noite por lá, e é por isso que recomendo fortemente (é claro que quanto mais noites melhor, claro..rs). Falarei no próximo tópico sobre onde se hospedar em Naoshima.

Pôr do sol em Naoshima

Pôr do sol em Naoshima

Sunset Naoshima

Mais das paisagens da ilha.

Onde ficar em Naoshima

Pra mim o melhor de Naoshima é a hospedagem. Além do fato de você conseguir se hospedar entre inúmeras obras de arte e perto do mar, há muitos tipos de hospedagens diferentes. Já pensou em dormir dentro de um museum? Aqui é possível! Quer acampar numa barraca de luxo? Em Naoshima tem também! Quer um quarto no topo de uma colina com vista para o mar? Já sabe a resposta. =)

A grande estrela hoteleira é o Benesse House, que faz parte do Benesse Art Site (que é basicamente quem manda na ilha). O Benesse House possui 4 prédios projetados pelo famoso arquiteto japonês Tadao Ando (sim, ele de novo), e cada prédio oferece opções de hospedagens diferentes, mas todas com algum tipo de vista para o mar. São elas: Oval, Beach, Museum e Park. As reservas abrem sempre 6 meses antes da data desejada (hoje estará abrindo vagas para daqui 6 meses), e as vagas do Oval e do Beach esgotam num piscar de olhos.

Ficar no Benesse House é a sua melhor pedida. Os hóspedes tem shuttle gratuito que passa por toda a ilha, desde o porto, passando pelos vilarejos e acabando no Benesse. Além disso, os hóspedes tem horas exclusivas de entrada nos museus e podem entrar mais de uma vez neles. Quem reserva uma diária com café da manhã irã comer em um dos dois excelentes restaurantes de lá, o ISSEN ou o Étoile de la Mer (os hóspedes do Oval e do Museum ficam no Issen e os do Park e Beach ficam no Étoile de la Mer). Enfim, vamos as particularidades de cada um.

-Benesse House Oval

A grande estrela da ilha. Um edifício oval no topo de uma colina, com acesso apenas de monotrilho, também construído parcialmente embaixo da terra para preservar a vegetação, e onde todos os seis quartos possuem uma bela vista para o mar. Fora as linhas incríveis do Tadao Ando e seu design minimalista. Demais de lindo. Mas corra porque lota assim que abre. Nós bobeamos e quando vi já não tinha mais vaga nas datas que eu queria.

-Benesse House Beach

Naoshima

Da varanda do meu quarto no Benesse House Beach, em Naoshima

Benesse House Beach room

Nosso quarto era enorme!

Benesse House Beach room

Era lua de mel, mas o único quarto que tinha era com duas camas de solteiro. Rs.

Foi no Benesse House Beach que ficamos hospedados, do ladinho da areia e quase dentro da água. Foi nossa segunda opção, mas eu amei toda a experiência! Ele fica na beira do mar e perto da abóbora gigante amarela, o quarto é enorme e o prédio é bem exclusivo. Poderia morar lá tranquilamente de tão gostoso que era, e é bem espaçoso para quem vai com família ou crianças. Pode ir sem medo (na verdade acho que dá pr ir sem medo em qualquer um… rs).

-Benesse House Museum

Praticamente a definição de “uma noite no museu”. Esse hotel está no mesmo edifício do Benesse Museum, e quem se hospeda lá estará dormindo lado a lado com pinturas, esculturas e obras de arte. Também com vista para o mar e para algumas das obras espalhadas pela ilha. Porém li críticas que o quarto pode ser um pouco barulhento durante o dia por conta do transitar das pessoas pelo museu.

-Benesse House Park

Benesse House Park

O edifício do Benesse House Park com algumas obras no parque logo a frente.

É o menos charmoso dos quatro, mas em compensação tem mais quartos então é mais fácil conseguir uma vaga por lá e a diária é mais em conta. Logo, uma excelente opção também, já que os quartos são igualmente bonitos e até rola vista para o mar, mesmo que mais tímida. O importante é ter essa experiência.

-Sane Mane Glamp Domes

Onde ficar em Naoshima

Tendas em forma de iglus. Foto: divulgação site oficial.

Além do Benesse House, há uma opção que eu achei super interessante que é o Sana Mane Glamp Domes. São tendas de acampamento de luxo em formas de domo, dispostas do lado do mar. Os serviços são basicamente os mesmos de um hotel, com café da manhã e há um banheiro privativo bem bonitão dentro de cada tenda. Site oficial.


Bom, chegou ao fim esse extenso guia de Naoshima. Eu espero que tenha conseguido inspirar vocês ou quem sabe ter apresentado um destino novo e inusitado que possa figurar na sua wishlist. E espero de verdade que as informações aqui sejam úteis para você que está pensando em ir. E se ainda estiver com alguma dúvida, é só deixar um comentário aqui que responderei com o maior prazer. =)

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

  • Quanto mais leio sobre o Japão, mais vontade tenho de voar para lá, e este blog magnifico não ajuda nada, ahahahah, tanto lugar incrivel que vocês falam.

    • hahaha melhor comentário!!
      Obrigadaaa! É essa nossa missão mesmo, deixar todo mundo doidinho…rs
      Brincadeiras a parte, fico feliz demais que gostou do conteúdo, e no que precisar estamos aqui para ajudar!

  • Eliza Tutake

    Excelente dica de viagem. E sou adepta ao estilo conheça o local como se fosse um nativo.
    Obgdinha

    • Eliza, fico super feliz que você gostou do nosso post com dicas de Naoshima. E adorei saber que você é das nossas e ama descobrir esses segredos. Obrigada demais pelo comentário. <3

  • + Ver mais comentários

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

EnglishPortuguese