Quanto custa viajar para São Paulo: média de gastos e como economizar


Atualizado em:


São Paulo é o centro financeiro do Brasil e, muito por causa disso, uma das cidades com maior custo de vida do país. Entre transporte público, alimentação, aluguel e lazer, podemos dizer com convicção que viver aqui definitivamente não é barato. Quando a questão é turismo porém, a coisa pode mudar um pouco de figura e os visitantes tem algumas vantagens, você terá acessos a muitas coisas e por preços que podem caber no bolso. Mas afinal, quanto custa viajar para São Paulo?

São Paulo vista a partir do parque do Ibirapuera, com o horizonte de prédios e um lago em primeiro plano. Final de tarde.

Como toda cidade grande, São Paulo é cheia de opções, por isso, é difícil dizer assim de bate-pronto quanto um viajante gasta por dia por aqui. Se por um lado o custo de vida costuma ser mais elevado do que nos pequenos municípios, por outro a cidade oferece uma ampla variedade de opções e comporta tanto quem gosta de turismo de luxo quanto os mochileiros.

O que podemos dizer de antemão é que entre transporte, alimentação e passeios você dificilmente vai gastar menos de R$100 por dia em São Paulo. Se incluirmos as hospedagens o gasto diário pode girar em torno de R$ 250. Isso pensando em uma econômica, com conforto, porém sem luxos.

Mas calma, para tentar te ajudar a planejar seus gastos da melhor forma possível antes de chegar à capital paulista, vamos por partes. Explicando ponto a ponto os valores para as diferentes formas de aproveitar São Paulo você pode ter uma noção melhor do que encontrar por aqui. Veja só:

Quanto custa viajar para São Paulo: Hospedagem

Em se tratando de hospedagem, o mais importante a se considerar na escolha costuma ser sempre a localização – além, é claro, do tipo de alojamento e da quantidade de estrelas que você busca.

De maneira geral, podemos dizer que os hotéis nos bairros Jardins, Itaim Bibi e Vila Olímpia. Por lá também é mais difícil encontrar opções como hostel e AirBnb. Um quarto em hotel nessas regiões costumam girar em torno de R$ 250 a R$ 1 mil por noite, para um casal.

A região de Pinheiros e Vila Madalena, mais jovens e descoladas, e os bairros da Consolação, Bela Vista, Vila Mariana e Paraíso, áreas tanto residenciais quanto comerciais, costumam ter valores mais intermediários. Por lá, uma noite em um hotel ou hostel pode variar entre R$50 e R$400  para um casal. Além disso, nesses bairros há uma grande oferta de hostels e apartamentos para alugar.

Imagem de quarto de hotel, com janelões ao fundo enquadrando uma cidade e verde das árvores, e uma parede rosa. A cama é de metal. Essa é a suíte do Selina Madalena, em São Paulo.

Selina Madalena, de quartos compartilhados a suítes privativas. Opções para bolsos variados na Vila Madalena. Foto: site/ divulgação.

Já na região central os preços são bem mais convidativos. Lá é possível se hospedar em um hostel por R$ 20 a cama em quarto compartilhado ou em um bom hotel por R$ 200 para o casal. A desvantagem principal aqui é que há poucas boas opções de hospedagem e os bairros inspiram cuidado.

Nesse post explicamos tim tim por tim tim os melhores lugares para se hospedar em São Paulo, com dicas dos bairros e hotéis para todos os bolsos.

Quanto custa viajar para São Paulo: Alimentação

A alimentação em viagens é quase sempre um fator que varia bastante de acordo com o gosto do viajante. Fãs de gastronomia podem preparar o bolso porque São Paulo é repleto de opções de restaurantes renomados e de altíssima qualidade, mas seus valores são super salgados – com o perdão do trocadilho. Um jantar no D.O.M, do chef Alex Atala, por exemplo, começa com valores a partir de R$ 600.

Porém, se comer bem não é a sua prioridade, mas você também não quer avacalhar na alimentação, há opções intermediárias em quase todas as regiões da cidade. Nesse caso, é seguro considerar que uma pessoa gastaria algo entre R$ 30 e R$ 60 por refeição.

Uma dica nesse sentido é procurar versões econômicas dos restaurantes de famosos chefs da cidade. Um exemplo é a pizzaria Bráz Elettrica, a versão econômica da famosíssima pizzaria paulistana Bráz. Outra dica são os cafés La Guapa, da chef Paola Carosella, que servem empanadas e outros lanches mais básicos assinados pela dona do Arturito (este já bem mais caro).

Ambiente da Bráz Elettrica da Vila Leopoldina

Com ambiente descolado, a Bráz Elettrica têm ótimas pizzas feitas em forno elétrico, a preços acessíveis. – Foto: Gustavo Pitta/Divulgação

Já para quem quer economizar e está disposto a abrir mão de todo e qualquer luxo, o que mais conta é a região. No centro da cidade é muito fácil encontrar pratos feitos bem servidos e gostosos a partir de R$ 12. Na região da Avenida Paulista, porém, esse feito é praticamente impossível. Por ali e na zona sul e oeste da cidade, um prato simples custa ao menos R$ 25.

Há ainda mais um fator a ser considerado ao contar os gastos com alimentação para descobrir quanto custa viajar para São Paulo: comer em pontos turísticos. Em São Paulo, como na maioria dos lugares, se você está muito perto (ou dentro) de um ponto de grande interesse os preços costumam subir. Neste caso, é preciso ficar bastante atento para identificar o que vale a pena.

O conhecido sanduíche de mortadela do Mercadão, por exemplo, tem valores altos. Mais de R$ 20 por um sanduíche que em qualquer padaria custaria menos da metade do preço. No entanto, a experiência completa só acontece por ali e o charme de experimentar a iguaria lá dentro compensa o gasto extra. Os restaurantes no primeiro andar do Mercadão, porém, servem comidas com valor elevado sem nenhum atrativo especial… Se você não fizer questão de aproveitar a vista dali, deixe para comer em outro ponto do centro, que vale muito mais a pena.

Foto em close de uma chapa de restaurante com sanduíches de mortadela, sendo que dois deles estão em primeiro plano e tem muito recheio.

Sanduíche de mortadela do Hocca Bar, um clássico do Mercadão de São Paulo. Foto: Diário do Comércio.

Restaurantes de museus são (a maioria que me lembro agora) todos caríssimos e de chefs conhecidos (Balaio no IMS, Santinho no Tomie Ohtake, Pipo no MIS, e assim vai). A qualidade deles, porém, raramente deixa a desejar. Aí, mais uma vez, fica a critério do viajante escolher os gastos. O que não falta em São Paulo são bons restaurantes, mas gastar cerca de R$ 80 por prato no Vista, restaurante no topo do Museu de Arte Contemporânea, é um mimo que você pode se dar e não vai se arrepender!

Por fim, outro fator que chama a atenção para quem vem de fora é o preço dos cafés e lanches da tarde. Se você decidir parar em algum lugar charmosinho para um café ou lanchinho rápido no meio do passeio, prepare-se para desembolsar ao menos R$ 20. No hypado Futuro Refeitório, em Pinheiros, por exemplo, essa conta sobe para pelo menos R$ 30.

Quanto custa viajar para São Paulo: Transporte

O gasto com transporte em São Paulo não pode de forma alguma ser esquecido. A cidade é enorme e, mesmo que você esteja hospedado em um hotel muito bem localizado, andar a pé muitas vezes não é uma opção. Se você decidir seguir o nosso roteiro de 3 a 5 dias em São Paulo, prepare-se para usar uma média de três transportes diferentes por dia.

Considerando que você vai se deslocar usando o transporte público, saiba que a tarifa atualmente é de R$ 4,40. Pessoas com mais de 60 anos não pagam para usar nenhum dos dois e basta apresentar um documento ao cobrador ou a um dos fiscais do metrô  pra garantir a gratuidade.

Os paulistanos usam o Bilhete Único, que dá direito a integração mais barata entre ônibus e metrô e gratuita para até três ônibus durante três horas. Infelizmente não há mais como comprar um bilhete deste direto na estação de metrô e não há opções de passes semanais ou qualquer outra combinação que facilite a vida do turista.

Quem pretende utilizar apenas o metrô e/ou trem, pode comprar um Cartão Fidelidade nas cabines do Bilhete Único nas estações de trem ou metrô. Nessa modalidade a passagem fica um pouco mais barata. É possível recarregar 8 viagens por R$ 32,45, 20 viagens por R$ 78,65 ou 50 viagens por R$ 191,41.

Já para quem prefere usar o transporte por aplicativo, tenha em mente que os valores variam muito. Quando chove os preços vão às alturas. Nos finais de semana, principalmente à noite, a tarifa sempre está no modo dinâmico. Se você estiver saindo de um show ou estiver em alguma região com grande concentração de bares e/ou baladas, também é certo que o preço sairá altíssimo.

Mesmo assim, os aplicativos costumam ter preços melhores do que os táxis. Em São Paulo a bandeirada varia entre R$ 4,50 e R$ 6,75, dependendo do tipo de veículo que você está usando. Da mesma forma, a tarifa por km vai de R$ 2,75 a R$ 4,15. A vantagem é que os taxis podem andar nas faixas exclusivas de ônibus em horários de pico, e essa diferença pode te salvar em momentos de aperto, como indo atrasado para o aeroporto.

Uber, 99 taxi e Cabify funcionam bem por aqui. Para as mulheres, há também a opção do aplicativo Lady Driver, só com motoristas mulheres. A principal vantagem é a segurança, mas o tempo de espera e os valores costumam ser mais altos. Se quiser ir de bike ou patinete, baixe os aplicativos da Grin.

Quanto custa viajar para São Paulo: Passeios

Uma boa vantagem das cidades grandes é que há sempre muitos passeios gratuitos a serem feitos. Apenas andar pelas ruas e parques é sempre uma opção, por exemplo. Em São Paulo isso não é diferente. A cidade é cara no geral, mas seu maior gasto com certeza não será com os passeios. Para descobrir quanto custa viajar para São Paulo, porém, é preciso considerar alguns gastos neste sentido.

Skyline de São Paulo, com prédios cobrindo a foto de fora a fora. Cidade vista do alto.

Uma cidade, mil e uma opções.

Aproveitar a intensa vida cultural na cidade é uma maneira de gastar dinheiro claro, mas mesmo assim há opções para diversos bolsos. Se você é fã de museus vale se planejar bem antes de ir, porque muitos deles têm dias em que a entrada é gratuita, como as terças-feiras no Masp ou os sábados na Pinacoteca, além dos que são sempre de graça, como o MAC e o Museu Afro Brasileiro. Aqui falamos tudo o que você precisa saber sobre os museus de São Paulo.

Nos cinemas, os valores também variam de acordo com o dia da semana. Aos finais de semana em uma sala comum a entrada pode custar até R$ 50. Já na segunda-feira, a entrada inteira gira em torno de R$ 20.

Todos os dias da semana há inúmeras opções de peças de teatro da cidade. Peças independentes em teatros menores têm entradas a partir de R$ 10. Produções maiores e com participação de atores famosos podem passar de R$ 100, com musicais da Broadway podendo ser ainda mais caros.

Novamente, se você decidir seguir a nossa dica de roteiro da cidade, os maiores gastos a serem considerados em questão de passeios para saber quanto custa viajar par São Paulo são a entrada no Masp (se você não puder ir na terça), ou em qualquer outro museu que te interesse, e a subida no Farol Santander (que você pode substituir por algum desses outros lugares com vista incrível).


Preparado para sua viagem para São Paulo? 

Assim, esperamos que esse post tenha te ajudado a elucidar alguns dos possíveis gastos em São Paulo que um turista vai ter. Mas uma coisa é certa: existe uma São Paulo diferente para cada tipo de viajante, e tenho certeza que quando você descobrir a sua São Paulo vai querer voltar mil vezes e irá se apaixonar! ♥

Ah, e já sabe… se ficou com alguma dúvida, comente abaixo. A gente sempre responde por aqui e podemos te ajudar, afinal, um morador local sempre conhece os truques e segredinhos da própria cidade, então pode comentar.

Vai viajar?
É preciso planejar!

Planeje sua viagem utilizando os serviços dos parceiros abaixo. Você não paga nada a mais por isso, e ajuda o SV a continuar produzindo conteúdo de qualidade e gratuito. =)

Curadoria de viagem

Receba uma vez por mês em seu e-mail nossas dicas cuidadosamente selecionadas e as novidades do mundo das viagens.

Deixe seu comentário

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *